Links de Acesso

MPLA à frente, oposição questiona e faz denúncias

  • VOA Português
  • Manuel José

Eleitor vota em Luanda

CNE revela primeiros resultados parciais

O MPLA vai à frente dos resultados das eleições de quarta-feira em Angola com 64 por cento dos votos na primeira divulgação provisória feita pela Comissão Nacional de Eleições (CNE) no fim da tarde desta quinta-feira, 24.

Depois de contabilizados 5.938.853 votos dos 9.317.294 eleitores inscritos, a CNE anunciou que a UNITA vem a seguir, com 24 por cento, CASA-CE, oito por cento, e PRS 1,37 por cento.

A FNLA e APN não chegaram a um por cento.

Nas primeiras reacções aos resultados parciais da CNE, o secretário do Bureau Político do MPLA, João Martins, afirma esperar uma vitória ainda maior.

Ouça a declaração de João Martins à VOA:

UNITA questiona

Por seu lado, a UNITA garante que os números não batem com as suas projecções e promete falar ainda nesta noite aos jornalistas.

Numa anterior declaração à VOA, antes do anúncio dos resultados parciais divulgados pela CNE, o vice-presidente da UNITA, Raúl Danda, garantia não haver qualquer possibilidade de o MPLA obter uma maioria qualificada.

Ouça:

CASA-CE fala em resultados forjados

Após os primeiros resultados anunciados pela CNE, a vice-presidente da CASA-CE para Sociedade Civil, Cezinanda Teresa Xavier, refuta os números e admite que, se forem os oficiais, “são resultados forjados”.

“Não estamos de acordo com esses resultados parciais porque também estamos a fazer a nossa contagem paralela e, por exemplo, sabemos que o MPLA não pode ganhar em Luanda”, garante Xavier que denuncia plenárias de última hora.

“Sabemos que estiveram a realizar plenárias extraordinárias à ultima hora e aguardamos informações do nosso comissário”, acusa a vice-presidente da CASA-CE, revelando que a CNE não tinha previsão para fazer qualquer anúncio de resultados hoje.

“Não sabemos o que terá mudado esta postura”, conclui Cezinanda Teresa Xavier.

Ouça:

"Astenção forçada", diz o PRS

O director de campanha do PRS, partido que até agora obteve 1,37 por cento dos votos, considera ser prematuro pronunciar-se sobre os resultados.

“Estamos a fazer a nossa contagem, através das actas enviadas pelos nossos delegados e iremos pronunciar mais tarde”, revela Manuel Ribanha, que destaca, no entanto, o “civismo dos angolanos”.

Ribanha aponta no entanto para a “abstenção forçada com a dispersão dos eleitores”, um assunto para o qual, diz, “o PRS sempre denunciou, mas todos deixaram a CNE fazer o seu trabalho sozinho”.

Ouça:

FNLA espera

Conhecido como o “partido histórico” de Angola, a FNLA não chegou ainda a um por cento dos votos, facto que não foi comentado pelo seu porta-voz.

“É muito cedo, vamos esperar os resultados finais”, limitou-se a dizer o seu porta-voz João Bengui.

Ouça:

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG