Links de Acesso

Tropas russas e ucranianas combatem pelo controlo de Kyiv


Soldados ucranianos passam por destroços de um camião militar em chamas numa rua em Kyiv, Ucrânia, 26 de Fev. 2022. Tropas russas invadiram a capital da Ucrânia no sábado, e os combates de rua eclodiram.

Estima-se que pelo menos 100 mil ucranianos fugiram para a Polónia

Explosões e tiros foram ouvidos no sábado na capital da Ucrânia, Kyiv, enquanto forças russas e ucranianas combatiam pelo controle da cidade. As autoridades da cidade impuseram recolher obrigatório entre as 17h e as 8h.

As autoridades ucranianas estão a pedir aos cidadãos do país que ajudem a defender Kyiv contra as forças russas. Uma base do exército na capital foi atacada, mas os militares da Ucrânia disseram que o ataque foi repelido.

Um prédio de apartamentos na capital foi atingido no início do sábado. O ministro das Relações Exteriores da Ucrânia disse que o prédio foi atingido por um míssil russo. Uma pessoa envolvida em operações de resgate disse à Associated Press que seis pessoas ficaram feridas no ataque com mísseis. Imagens de vídeo do prédio mostraram grandes danos nos andares superiores.


O Presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy previu que os ataques a Kyiv se tornariam mais intensos no sábado.

"Kyiv requer atenção especial", disse ele. "Não podemos perder a capital."

Zelenskyy disse no sábado no Twitter que conversou com o Presidente francês Emmanuel Macron. "Armas e equipamentos dos nossos parceiros estão a caminho da Ucrânia. A coligação anti-guerra está a funcionar", escreveu no Twitter.


O Ministério da Defesa da Rússia disse este sábado, 26 de Fevereiro, que as tropas russas capturaram a cidade de Melitopol, no sudeste da Ucrânia.

Forças russas que avançam sobre Kyiv e outras cidades importantes como parte de um plano para "decapitar" o governo da Ucrânia parecem ter perdido algum ímpeto, disseram autoridades dos EUA e do ocidente na sexta-feira, enquanto eles e Moscovo intensificavam as operações de informação para acompanhar os combates no terreno.

Um alto funcionário da defesa dos EUA, disse a repórteres sob condição de anonimato para discutir inteligência, que as forças russas lançaram mais de 200 mísseis balísticos e de cruzeiro desde o início da invasão, a maioria deles visando os militares ucranianos.

"Eles estão a encontrar mais resistência do que esperavam", disse a autoridade dos EUA, acrescentando que as forças russas ainda precisam estabelecer a superioridade aérea, apesar da vantagem numérica e dos esforços para eliminar as defesas aéreas ucranianas.

O comando e controle da Ucrânia "está intacto", acrescentou o funcionário.

Marcha anti-guerra nos EUA em reacção do ataque russo à Ucrânia
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:56 0:00

Em Kyiv, Zelenskyy procurou reunir a nação, rejeitando rumores de que ele havia fugido da cidade e insistindo que ele e outros funcionários do governo "estão todos aqui, defendendo a nossa independência, o nosso estado".


A Amnistia Internacional diz que a Rússia pode ter cometido crimes de guerra com a invasão da Ucrânia.

"Os militares russos demonstraram um desrespeito flagrante pelas vidas civis usando mísseis balísticos e outras armas explosivas com efeitos de ampla área em áreas densamente povoadas", disse Agnès Callamard, secretária-geral da Amnistia Internacional, em comunicado.

"Alguns desses ataques podem ser crimes de guerra. O governo russo, que afirma falsamente usar apenas armas guiadas com precisão, deve assumir a responsabilidade por esses actos", diz o comunicado.

Reivindicações russas

As autoridades russas responderam na sexta-feira que as suas forças fizeram um progresso sólido no que descreveram como um esforço para eliminar uma ameaça terrorista.

Num post nas redes sociais, o major-general russo Igor Konashenkov disse que as forças do seu país desactivaram mais de 200 instalações militares ucranianas e dezenas de baterias de defesa aérea e estações de radar, enquanto destruíam um punhado de aviões de combate, helicópteros e veículos militares ucranianos.

As forças armadas da Rússia também disseram na sexta-feira que assumiram o controle do estratégico aeroporto Hostomel, a noroeste de Kyiv.

A alegação da Rússia não foi confirmada imediatamente, mas as autoridades ucranianas relataram fortes combates no país.

No terreno na Ucrânia

O presidentes da Câmara de Kyiv, o ex-campeão mundial de boxe de pesos pesados Vitali Klitschko, disse que a cidade entrou em fase defensiva e alertou que "sabotadores russos estão à solta".

As autoridades ocidentais, apesar de elogiarem as forças ucranianas, alertaram que a situação era fluida e observaram que as coisas podem mudar rapidamente, especialmente porque cerca de dois terços dos 190.000 soldados russos ao longo da fronteira ucraniana ainda não participaram dos combates.

Eles também alertaram sobre as tentativas russas de usar desinformação para obscurecer a situação no terreno e assustar as forças da Ucrânia.

"As nossas informações indicam que a Rússia está a criar uma campanha de desinformação ao divulgar informações falsas sobre a rendição generalizada de tropas ucranianas", disse uma autoridade dos EUA na sexta-feira.

"As nossas informações também indicam que a Rússia planeia ameaçar matar os familiares dos soldados ucranianos se eles não se renderem", acrescentou o funcionário.

O secretário de imprensa do Pentágono, John Kirby, disse que os Estados Unidos continuam a encontrar maneiras de ajudar a Ucrânia a defender-se "de uma perspectiva letal e não letal".

Sexta-feira, o presidente dos EUA, Joe Biden, autorizou o Departamento de Estado a liberar 350 milhões de dólares em ajuda militar à Ucrânia.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG