Links de Acesso

Kyiv alvo de bombardeamentos russos


Bombeiros olham resultado de um ataque na área de Kiev

Ouviram-se explosões sobre a capital da Ucrânia no início desta sexta-feira, 25 Fevereiro, o segundo dia da invasão russa em grande escala da vizinha Ucrânia.

O New York Times relatou que tinha "verificado" o vídeo das explosões mostrando "detritos ardentes" a cair sobre Kyiv. O Times também disse que o vídeo "parecia mostrar pelo menos dois mísseis terra-ar a serem disparados perto de Kiev antes da explosão".

Foram também ouvidas sirenes na cidade ucraniana ocidental de Lviv, não muito longe da fronteira polaca, para onde muitas embaixadas estrangeiras se tinham deslocado temporariamente.

O Secretário da Defesa dos EUA, Lloyd Austin, disse na noite de quinta-feira que as tropas russas, ao entrarem da Bielorrússia, tinham avançado para um raio de 32 quilómetros de Kyiv.

Crise ucraniana: Famílias divididas por entre aumento da violência
please wait

No media source currently available

0:00 0:03:45 0:00

No norte da Ucrânia, as tropas russas assumiram o controlo da central eléctrica de Chernobyl na quinta-feira. "Esta é uma declaração de guerra contra toda a Europa", disse o Presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy.

Chernobyl é o local da pior explosão de centrais nucleares do mundo. Chernobyl e a sua área circundante permanecem inabitáveis desde o desastre de 1986.

Os manifestantes anti-guerra organizaram manifestações em toda a Rússia, incluindo em Moscovo e São Petersburgo, na quinta-feira. Autoridades dizem que pelo menos 1.700 pessoas foram presas.

O Presidente dos EUA Joe Biden impôs mais uma série de sanções à Rússia na quinta-feira, horas após a invasão.

"Putin é o agressor", disse Biden na Casa Branca depois de se encontrar na quinta-feira com líderes dos países do G-7 e da NATO. "Putin escolheu esta guerra, e agora ele e o seu país irão suportar as consequências".

As novas sanções dos EUA visam os bancos, oligarcas e sectores de alta tecnologia russos e incluem também controlos de exportação. Biden disse que estas medidas irão "espremer o acesso da Rússia a finanças e tecnologia para sectores estratégicos da sua economia e degradar a sua capacidade industrial durante os próximos anos".

Os aliados da NATO, incluindo a Grã-Bretanha e a União Europeia, também impuseram mais sanções na quinta-feira.

O efeito fez-se sentir quase imediatamente nos mercados globais, onde as acções desceram e os preços das mercadorias subiram. Biden reconheceu que os americanos irão assistir a preços mais elevados da gasolina.

Contudo, Biden disse: "Esta agressão não pode ficar sem resposta". A América defende a liberdade. Isto é o que nós somos".

Ele repreendeu Putin por ter dito nas últimas semanas que estava interessado em negociar com os Estados Unidos e os seus aliados sobre as suas preocupações de segurança. Putin disse repetidamente que a aliança militar da NATO liderada pelos EUA, formada após a Segunda Guerra Mundial, representa uma ameaça para a Rússia e exigiu que a Ucrânia fosse impedida de aderir à aliança.

"Nunca se tratou de segurança", disse Biden. "Isto foi sempre sobre agressão nua, sobre o desejo de Putin pelo império".

Agora, Biden disse: "Putin será um pária na cena mundial".

A invasão

Esta invasão é o maior teste à segurança da Europa desde o fim da Segunda Guerra Mundial. Num discurso televisivo pré-invasão do Kremlin, Putin chamou-lhe uma "operação militar especial" destinada à "desmilitarização e desnazificação" do seu vizinho, outrora uma república soviética mas um país independente desde 1991.

O primeiro ataque atingiu as forças ucranianas no leste do país no início da quinta-feira e foi seguido de ataques de foguetes em vários aeroportos. Quando a noite caiu na Europa, o Ministro da Saúde da Ucrânia, Viktor Lyashko, disse que 57 ucranianos tinham sido mortos e 169 feridos.

De acordo com oficiais norte-americanos, a ofensiva russa, ainda na sua fase inicial, visou posições de defesa ucranianas com mais de 160 mísseis balísticos de curto e médio alcance, mísseis de cruzeiro e ataques aéreos de aeronaves de asa fixa.

Na quinta-feira, o centro normalmente activo de Kiev - uma cidade antiga conhecida pelas suas catedrais douradas, largas avenidas e arquitectura elegante - estava na sua maioria deserto. Em bairros residenciais, formaram-se filas em bancos e fora de lojas alimentares. As principais estradas que saíam da cidade estavam obstruídas com o tráfego que se dirigia para oeste.

De Kiev, Jamie Dettmer da VOA relatou que um aeroporto militar a oeste da capital foi atingido no início da quinta-feira por helicópteros de ataque. Acrescentou que um alto funcionário lhe tinha dito que "forças militares russas invadiram a Ucrânia na região de Kiev no posto de controlo de Vilcha", que fica na fronteira com a Bielorrússia, um aliado russo onde Putin reuniu tropas nas últimas semanas, alegando que estavam a conduzir exercícios militares.

Um alto funcionário da defesa dos EUA disse aos repórteres do Pentágono que os combates pareciam ser mais intensos na segunda maior cidade, Kharkiv, onde soldados adicionais também pareciam mudar-se para a cidade. As tropas russas também se têm deslocado para a cidade meridional de Kherson, no que o oficial de defesa disse parece ser um esforço para capturar centros populacionais chave e "decapitar" o governo da Ucrânia.

"Parece que os seus objectivos são bastante maximalistas, incluindo provavelmente uma mudança de regime em Kyiv", disse Simon Miles, professor assistente de política pública na Duke University. "A capacidade dos militares ucranianos para resistir a isso, penso eu, ainda está para ser vista. E eles querem ter isto embrulhado antes que qualquer tipo de força partidária possa entrar em formação". E isso é muito mais fácil de dizer do que de fazer".

O oficial da defesa disse: "Temos visto indícios de que algumas unidades ucranianas estão a ripostar".

No entanto, Biden reiterou que as forças americanas não se juntarão a elas, salientando que as forças americanas foram transferidas apenas para países da NATO próximos da Ucrânia. Ele comprometeu os militares norte-americanos a lutar ao lado dos aliados da NATO se Putin fizer avançar os seus ataques para além da Ucrânia e para qualquer um dos 30 países da NATO. O Pentágono anunciou que iria destacar mais 7.000 soldados norte-americanos para a Alemanha para reforçar a força da NATO na Europa.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG