Links de Acesso

Diamantes não podem substituir petróleo, dizem economistas angolanos


Executivo angolano de olho no mercado diamantífero como forma de diversificar a economia

Na procura de diversificar os rendimentos da economia, o Governo angolano está a tentar incentivar a exploração de diamantes.

Contudo, especialistas avisam que tanto economica como politicamente isso será difícil senão mesmo impossível.

Podem os diamantes ultrapassar as receitas do patróleo angolano ? - 2:27
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:27 0:00

O mercado dos diamantes e das minas no geral é monopolizado por grupos empresariais ligados a vários generais angolanos, em parceria com empresas estrangeiras, com realce para russas e israelitas.

Os israelitas tiveram a sua entrada no mercado angolano dos diamantes em 1993.

Empresa estatal angolana Sodiam cessa participação em holding de marido de Isabel dos Santos

Um dos negociadores da altura pela parte angolana, o empresário e presidente da Associação Industrial Angolana, José Severino, diz que o mercado diamantífero pode ser uma aposta do Executivo mas não acredita que "chegue a ter um impacto na economia como tem o petróleo".

Quem também não acredita que o Governo tenha esta intenção é outro entendido em matéria económica, Galvão Branco, para quem, pelas suas especifidades, apostar no sector dos diamantes como principal fonte de receitas seria pior para a economia.

"Os diamantes pelas suas características não tecnológicas estão sujeitos a regras de mercado internacional extremamente especifícas, mais duras do que o mercado do petróleo”, alerta, Branco lembrando que o país ficaria numa situação pior.

Soba e antigo PCA da Endiama em conflito de terras na Lunda Norte

Já Sapalo António, outro economista, diz que o mercado dos diamantes em Angola está confinado a um grupo restrito da mesma família política e por isso uma aposta mais forte nos diamantes do que no petróleo não surtiria efeitos positivos para a economia.

"Podemos até desviar mais a nossa atenção para a área dos diamantes, mas se o regime for o mesmo, que prima pela má gestão da coisa publica, não vai produzir nenhum efeito positivo à economia angolana nem a sociedade", conclui António.

Soba da Lunda Norte recebe promessa da Endiama para resolução de conflito com antigo PCA da empresa

Nas últimas semanas, a imprensa tem revelado informações de que o Governo angolano pretende apostar fortemente no sector diamantífero como parte da sua estratégia de diversificação da economia.

Mineiros da Lunda Norte e empresa não se entendem e a greve continua

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG