Links de Acesso

Daviz Simango pede redução dos poderes do Presidente da República


Dirigentes do MDM

No segundo congresso do MDM, militantes pedem respostas à morte de Mahamudo Amurane

O Movimento Democrático de Moçambique (MDM), a terceira força política do país, vai escolher no segundo congresso que começou nesta terça-feira, 5, em Nampula o seu candidato à Presidência da Republica em 2019.

Daviz Simango pede redução dos poderes do Presidente da República
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:25 0:00

No discurso de abertura, o presidente Daviz Simango defendeu a redução dos poderes do Presidente e eleições directas para governadores provinciais.

Mais de mil participantes, entre eles delegados e convidados, como os chamados partidos amigos, CASA-CE, de Angola, e MDC, do Zimbábue, estarão reunidos durante os próximos quatro dias.

O congresso acontece numa altura em que o MDM vive uma crise interna, depois da ruptura do antigo edil de Nampula, Mahamudo Amurane, que anunciou a criação de um novo partido, antes de ser assassinado a 4 de Outubro.

Os congressistas pediram celeridade na descoberta dos autores do assassinato de Mahamudo Amurane, alegando que os cidadãos precisam conhecer os responsáveis.

No seu discurso, Daviz Simango destacou a paz como um problema que precisa ser resolvido com urgência, a situação económica e a segurança dos moçambicanos que podem ter graves consequências.

"Somente uma revisão constitucional pode prevenir problemas" ligados a "conflitos políticos, à economia e à segurança", sublinhou Simango, que defendeu e eleição directa dos governadores provinciais.

O líder do MDM apontou a necessidade de redução dos poderes da figura do chefe do Estado, “pois nenhum Estado moderno encontrou a prosperidade num Governo totalitário”.

“O ano de 2018 será decisivo para democracia em Moçambique, temos que ser a força política capaz de preencher o enorme vazio existente na vida política moçambicana”, concluiu Daviz Simango.

Os congressistas disseram querer ver a democracia interna fortalecida e um partido renovado e transparente com dirigentes humildes que saibam ouvir as bases.

O desafio da formação política criada há oito anos é reafirmar-se como uma verdadeira alternativa política em Moçambique.

Por agora, o partido aposta em Calos Saíde para vencer a eleição intercalar em Nampula, em Janeiro, e manter os municípios que governa na eleição de Outubro de 2018.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG