Links de Acesso

Em ano de eleições Presidente angolano promete continuar o combate à corrupção


Presidente de Angola, João Lourenço

O Presidente de Angola, João Lourenço, apresentou na sexta-feira, 28, a agenda do seu partido antes das eleições gerais marcadas para Agosto, prometendo impulsionar os esforços para reactivar a economia e combater a corrupção.

"Muito foi feito e continuará a ser feito na luta contra a corrupção e a impunidade, na criação de um bom ambiente de negócios, na reforma política", disse.

Lourenço prometeu aumentar o salário mínimo e aumentar os salários dos funcionários públicos.

"Precisamos trabalhar duro para garantir que todos os nossos activistas, apoiantes e amigos exerçam o seu direito de voto", disse, numa reunião do partido na cidade de Menongue, província do sul Cuando Cubango, de acordo com uma transcrição do seu gabinete.

O Movimento Popular de Libertação de Angola de Lourenço (MPLA) governa o país rico em petróleo, mas empobrecido da África Austral desde que se tornou independente de Portugal em 1975.

Mas este ano, três partidos da oposição formaram uma coligação, a Frente Patriótica Unida, para desafiá-lo.

O MPLA apoiou formalmente a candidatura de Lourenço no mês passado.

Desde que assumiu o cargo em 2017, ele enfrentou uma economia fraca e lançou uma campanha anti-corrupção para recuperar biliões de dólares que ele suspeita terem sido desviados durante a governação do seu antecessor, José Eduardo dos Santos.

Isso rendeu-lhe elogios do Fundo Monetário Internacional, mas rendeu pouco para o povo empobrecido de Angola.

A inflação superou 25% no ano passado. O Banco Mundial estima que 56 por cento dos angolanos vivem com menos de 1,90 dólares por dia.

Após sair de décadas de guerra civil em 2002, Angola aproveitou um boom do petróleo.

Isso tornou a família de Dos Santos bilionária, e o governo esbanjou dinheiro em projectos vaidosos, como transformar a orla marítima de Luanda num playground de bilionários repleto de palmeiras importadas de Miami.

O combate à corrupção

A campanha de Lourenço concentrou-se na família de Dos Santos. A filha do antigo Presidente, Isabel dos Santos está a ser investigada por alegadamente desviar fundos do Estado para activos offshore - acusações que ela nega veementemente.

O seu meio-irmão José Filomeno dos Santos foi condenado a cinco anos de prisão em Agosto de 2020 por desviar receitas do petróleo do Fundo Soberano de Angola, que ele supervisionou de 2013 a 2018.

O próprio José Eduardo dos Santos está sob imunidade presidencial até o final de 2022, cinco anos após o término de seu mandato.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG