Links de Acesso

PGR garante que não há mandado de captura contra Isabel dos Santos e que pode regressar ao país


Isabel dos Santos

A Procuradoria-Geral da República de Angola (PGR) não vai emitir um mandado de captura, por agora, contra Isabel dos Santos e, segundo o seu titular Hélder Pitta Grós, a filha do antigo Presidente pode regressar ao país e responder ao processo que lhe foi movido.

"Acreditamos nas pessoas e como não estamos de má-fé com ninguém, tudo pode acontecer. Se ela aparecer será muito bom para nós e para ela também. Não há nenhum mandato de captura contra ela", assegurou Pitta Grós em declarações à SIC Notícias, em Lisboa, Portugal, nesta sexta-feira, 24.

Para o procurador, o que se pretende é que Isabel dos Santos responda ao processo e ajude no repatriamento dos bens que poderão ter saído ilegalmente de Angola.

Sem dar muitos detalhes sobre o encontro mantido na quinta-feira, 23, com a sua homóloga portuguesa Lucília Gago, em Lisboa, Pitta Grós disse, noutra entrevista à RTP, ter entregue cartas rogatórias para que o Ministério Público português notifique os portugueses envolvidos no caso da transferência da Sonangol para o exterior após a exoneração de Isabel dos Santos da empresa petrolífera angolana.

"Temos as cartas rogatórias e houve a constituição de arguidos. Alguns deles são portugueses e têm residência permanente aqui em Portugal. É necessário que sejam notificados do despacho que os constitui como arguidos para, a partir daí, poderem ser interrogados", revelou Helder Pitta Grós.

Na quarta-feira, 22, o PGR revelou que a justiça tinha constituído arguidos Isabel dos Santos, Sarju Raikundalia, ex-administrador financeiro da Sonangol, Mário Leite da Silva, gestor de Isabel dos Santos e presidente do Conselho de Administração do BFA, Paula Oliveira, amiga de Isabel dos Santos e administradora da NOS, e Nuno Ribeiro da Cunha, gestor de conta de Isabel dos Santos no EuroBic.

A decisão surge no final do inquérito feito pela PGR à gestão de Isabel dos Santos na Sonangol, entre Junho de 2016 e Novembro de 2017, aberto depois do seu sucessor, Carlos Saturnino, levantar suspeitas sobre "transferências monetárias irregulares ordenadas pela anterior administração da petrolífera nacional e outros procedimentos incorretos".

No mesmo dia à noite, Nuno Ribeiro da Cunha foi encontrado morto em casa, com a polícia a apontar para suicídio.

Nas entrevistas em Portugal, o PGR comentou a alegação de Isabel dos Santos de haver uma conspiração contra ela e, como indicou em entrevista à BBC, ter sido perseguida pela polícia secreta na sua última deslocação a Angola.

"Há violência em todas as cidades, capitais, mas Luanda também poderá ter uma certa violência porque o dinheiro que foi subtraído poderia ter sido utilizado para a construção de escolas, hospitais e centros de formação", respondeu Pitta Grós com alguma ironia, acrescentando que o dinheiro retirado de Luanda contribuiu para os elevados níveis de criminalidade da cidade.

Pitta Gros está em Lisboa com Isabel dos Santos em agenda
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:21 0:00

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG