Links de Acesso

EUA impõe sanções a líder de Hong Kong, Carrie Lam


Chefe Executiva de Hong Kong, Carrie Lam, em conferência de imprensa em Hong Kong. 7 agosto, 2020.

Os Estados Unidos impuseram sanções na sexta-feira à presidente-executiva de Hong Kong, Carrie Lam, aos atuais e ex-chefes de polícia do território e a oito outras autoridades pelo que Washington diz ser o seu papel na redução das liberdades políticas no território.

As sanções foram impostas sob uma ordem executiva que o Presidente Donald Trump assinou no mês passado para punir a China pelos seus movimentos contra a dissidência em Hong Kong e são a última ação dramática do seu governo contra Pequim na corrida para a sua candidatura à reeleição em novembro.

Além de Lam, as sanções visam o comissário da Polícia de Hong Kong, Chris Tang e o seu antecessor Stephen Lo; John Lee Ka-chiu, secretário de segurança de Hong Kong, e Teresa Cheng, secretária de justiça.

Entre as seis outras autoridades visadas estavam Luo Huining, principal autoridade da China continental em Hong Kong, e Xia Baolong, diretor do Gabinete de Assuntos de Hong Kong e Macau em Pequim.

O Departamento do Tesouro disse que a imposição de uma legislação "draconiana" de segurança nacional por Pequim minou a autonomia de Hong Kong e estabeleceu "as bases para a censura de quaisquer indivíduos ou veículos considerados hostis à China".

"Carrie Lam é a principal executiva responsável pela implementação das políticas de supressão da liberdade e dos processos democráticos de Pequim", disse o documento.

Numa declaração separada, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, disse que as medidas "enviam uma mensagem clara de que as ações das autoridades de Hong Kong são inaceitáveis" e violam os compromissos da China de "um país, dois sistemas".

"Não vamos ficar parados enquanto o povo de Hong Kong sofre opressão brutal nas mãos do Partido Comunista Chinês ou de seus facilitadores", acrescentou num tweet.

As sanções congelam todos os bens que eles tenham nos EUA e geralmente impedem os americanos de fazer negócios com eles.

As tensões EUA-China têm aumentado diariamente e os laços se deterioraram para o que analistas dizem ser o pior nível em décadas.

O Ministério das Relações Exteriores da China disse na sexta-feira que se opõe firmemente às ordens executivas que Trump anunciou esta semana para proibir as transações dos EUA com os proprietários chineses dos aplicativos WeChat e TikTok.

Trump respondeu à nova lei de segurança nacional de Pequim para Hong Kong ordenando o fim do status privilegiado que a ex-colónia britânica gozava sob as leis dos EUA em comparação com o continente, levando Pequim a acusar Washington de "lógica gangster e comportamento intimidatório".

Uma fonte familiarizada com o assunto disse que as deliberações dos EUA sobre as sanções se intensificaram depois que Lam adiou em um ano as eleições de 6 de setembro para a legislatura de Hong Kong por causa de um aumento nos casos de coronavírus, desferindo um golpe na oposição pró-democracia que esperava fazer ganhos enormes.

Reuters

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG