Links de Acesso

Encontro Nyusi e Dhlakama reduz a incerteza, mas há questões por resolver

  • Ramos Miguel

Nyusi e Dlhakama, Gorongosa.

CTA diz que reduz a incerteza para os investidores; académicos são mais cautelosos.

A Confederação das Associações Económicas de Moçambique- CTA, diz que a indicação de prazos para a conclusão do processo de paz reduz a incerteza dos investidores relativamente ao futuro do país.

Para o director-executivo adjunto da CTA, Eduardo Sengo, " isso significa que estamos a caminho de uma saída, e isso, do ponto de vista de quem faz negócios, , porque o processo já não está tão incerto como estava anteriormente".

Mas para o economista João Mosca, enquanto não forem tomadas medidas importantes, a situação não vai melhorar, porque os problemas da economia moçambicana não resultam apenas da instabilidade político-militar.

O académico Lourenço do Rosário diz também que as questões de fundo do conflito ainda não foram resolvidas.

Diz ele que o encontro entre Nyusi e Dlakhama de domingo passado é um bom sinal, mas "temos que estar muito atentos para os próximos passos, porque nós sabemos o que está na mesa desde 2014".

"A Renamo tem que entregar as armas e integrar os seus homens nas Forças de Defesa e Segurança,e o Governo tem que descentralizar o país", explica o académico.

No encontro de domingo passado, na Gorongosa, o presidente moçambicano, Filipe Nyusi, e o líder da Renamo, Afonso Dhlakama, acordaram sobre os próximos passos no processo de paz, que esperam que seja concluído até ao final do ano.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG