Links de Acesso

Estados Unidos reforçam ataques no Iémen


Militares do Iémen procedendo a vistoria de viaturas civis na capital Sanaa

Militares do Iémen procedendo a vistoria de viaturas civis na capital Sanaa

Washington receia que a al-Qaida aproveite da situação de crise política para se fortalecer

Um importante jornal americano publicou hoje que o governo americano intensificou a sua guerra secreta no Iémen nas ultimas semanas, utilizando aviões não pilotados e jactos militares em ataques a posições suspeitas dos militantes que tentam desestabilizar o periclitante governo de Sanaa.

Citando entidades oficiais americanas, o jornal New York Times afirma que depois de quase um ano de pausa, os Estados Unidos aceleraram a sua campanha numa tentativa para impedir os militantes, ligados a al-Qaida, de consolidarem as suas posições. Os ataques estão a ser levados a cabo pelo Comando das Operações Conjuntas do Departamento de Defesa, em estreita colaboração com a CIA.

A notícia do aumento dos ataques aéreos americanos contra posições de radicais islamistas foi saudada no Iémen por aqueles que receiam a crescente influência da al-Qaida e de outros grupos armados na Península Arábica.

O Jornal The New York Times cita um alto oficial americano sob o anonimato, que Washington retomou os ataques aéreos nas últimas semanas por receio que a crise de liderança possa permitir aos radicais meios de dissimulação.

O jornalista e analista político iemenita Nasser Arrabyee diz que enquanto o presidente Ali Abdullah Slaeh estiver em tratamento médico na Arábia Saudita, esses ataques se justificam, e particularmente na região sul do país.

“A situação está a piorar em Abyan, e Jahar é ainda mais particular. É o feudo dos jihadistas. Eles declararam Zinjibar o segundo Emirado Islâmico depois de Jahar. A al-Qaida está agora a explorar os tumultos populares em todo o país, não apenas no sul. E está a obter algumas vitórias.”

O jornalista iemenita diz que agora é o momento certo para atacar essas forças, seja através das forças governamentais ou pelos Estados Unidos.

O ministro da defesa do Iémen disse hoje que as forças regulares tinham morto 12 militantes na região sul do país, apesar de os radicais terem reivindicado baixas por parte das forças governamentais apoiadas pelos Estados Unidos.

“É difícil dizer quantos, mas é certo que foram mortos uma dezena de soldados de ambas partes.”

A ofensiva jihadista chega no momento é que se está baixar a adesão popular aos protestos anti-governamentais iniciados há quatro meses. Os apelos para demissão do presidente Saleh tornaram-se em violência nas últimas semanas depois de opositores tribais e grupos armados se terem associado aos movimentos de protestos.

Na capital Sanaa está em vigor um cessar-fogo entre as forças entre do clã al-Ahmar e do governo. Mas continua a haver crescentes pressões dentro do governo interino para destituir o presidente Saleh e instaurar um conselho de transição política.

XS
SM
MD
LG