Links de Acesso

Guiné-Bissau: Oposição quer acabar com missão militar angolana


Alguns sectores da oposição da Guiné-Bissau estão a exigir a partida da missão angolana de apoio à reforma na defesa e segurança.

Alguns sectores da oposição da Guiné-Bissau estão a exigir a partida da missão angolana de apoio à reforma nos sectores da defesa e segurança.

As pressões nesse sentido surgem depois de Angola ter apelado às autoridades guineenses e a todos os intervenientes no processo político na Guiné-Bissau para "observarem o respeito pela constituição, instituições democráticas, legalidade e estabilidade do país".

O apelo foi na abertura da VII Reunião de Ministros da Educação da CPLP em Luanda e segue-se à crise motivada pela recusa do segundo candidato mais votado nas eleições presidenciais guineenses de participar na segunda volta das mesmas.

É nesse contexto que se espera a deslocação a Bissau de um enviado especial do presidente angolano, José Eduardo dos Santos.

O emissário irá transmitir às autoridades guineenses a preocupação de Luanda face ao momento que se vive na Guiné-Bissau, isto numa altura em que alguns sectores da chefia militar e políticos defendem a retirada da missão angolana .

Como argumento, invocam que a MISSANG está a extravasar o propósito da sua missão, acusando-a de possuir armamentos que não devia. Uma alegação que merece a desconfiança de fontes independentes, segundo as quais Bissau está a ser alvo de uma guerra de influência geopolítica entre alguns países africanos e europeus, com implicações imprevisíveis.

Alguns observadores questionam mesmo, porque é que só agora que se acentuou a discussão sobre a presença da missão angolana no país, sobretudo neste momento da crispação eleitoral.

E no mesmo âmbito, o do processo eleitoral, marcado pela contestação de resultados por parte de alguns candidatos, chega amanha à capital guineense uma missão mista da CEDEAO, União Africana e das Nações Unidas, tudo na respectiva de acompanhar, ajudar e encontrar uma saída plausível da contenda eleitoral.

Objectivo que resultou, alias, na criação da Comissão de Facilitadores do Diálogo entre os actores políticos. Uma comissão saída da reunião ontem presidida pelo Presidente da Republica Interino, Raimundo Pereira, e que juntou todos os candidatos presidenciais, chefias militares e membros da sociedade civil, entre os lideres religiosos.

Esta comissão deve encontrar-se em separado com as figuras políticas directamente envolvidas no processo, devendo na segunda-feira apresentar relatórios dos contactos efectuados.

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG