Links de Acesso

Zona de Livre Comércio em África arranca em Kigali


João Lourenço representou Angola

João Lourenço assistiu o acto de constituição da organização regional. Industrial avisa que Angola não tem capacidade para competir

O Presidente angolano, João Lourenço, fez parte do grupo de chefes de Estado africanos que testemunharam o acto de lançamento da Zona de Livre Comércio do continente, que decorreu nesta quarta-feira, 21, em Kigali, capital do Ruanda.

Quarenta e quatro países assinaram o acordo que pretende estender-se aos 55 Estados africanos.

O bloco regional lançado no âmbito da cimeira extraordinária da União Africana (UA) terá como finaldadea redução ou elimnação as taxas alfandegárias entre os países membros e estimular o comércio entre eles.

Outros objectivos estão relacionados com a circulação livre de pessoas, mercadorias, serviços e capitais.

Angola aind anao tem condiçoes para competeri em emrcado livre de africa - 2:42
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:42 0:00

O empresário José Severino considera que a adesão de Angola ao projecto está “políticamante correcta” mas do ponto de vista económico o país precisa de pelo menos cinco anos de crescimento e experiência para poder competir no comércio continental.

Severino, que é presidente da Associação Industrial de Angola, defende que o país devia começar por reforçar e consolidar as trocas comerciais com os países vizinhos, construir infraestruturas e desenvolver a indústria transformadora antes deentrar para a competição continental.

A criação da Zona de Livre Comércio é tida pelas diplomacias africanas como sendo um dos projectos mais ambiciosos do continente e integra a chamada Agenda 2063 da União Africana.

Mercado continental

O acordo cria um mercado continental de 1,2 mil milhão de pessoas, com um Produto Interno Bruto combinado de mais de 3,4 trilhões de dólares.

O presidente da Comissão da União Africana, Moussa Faki Mahamat, espera agora que os Estados signatários ratifiquem o acordo para que possa entrar em vigor ainda este ano.

“Os nossos povos, a nossa comunidade empresarial e nossa juventude em particular não podem esperar mais para ver o levantamento das barreiras que separam o nosso continente, impedir a sua decolagem económica e perpetuar a miséria, mesmo que a África seja abundantemente dotada de riqueza”, disse Mahamat.

Na sua intervenção, ele pediu um forte acompanhamento para “confundir aqueles que, fora da África, continuam a pensar, com uma condescendência mal disfarçada, que nossas decisões nunca se materializarão”.

Mas há preocupações.

O Presidente da Nigéria, uma das maiores economias da África, não participou na cimeira devido à pressão dos sindicatos.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG