Links de Acesso

Papa Francisco: O Mediterrâneo "está a tornar-se um cemitério frio sem lápides


Papa Francisco (de branco) em Lesbos

"Hoje, e não apenas na Europa, testemunhamos um retrocesso da democracia", Francisco

LESBOS, GRÉCIA - O Papa Francisco voltou no domingo à ilha de Lesbos, o ponto de encontro da migração que ele visitou, pela primeira vez, em 2016, criticando o facto de os migrantes serem negligenciados, o que chamou "naufrágio da civilização".

O Papa, que há muito defende a causa dos migrantes, visitou Lesbos um dia depois de ter feito uma repreensão contundente à Europa, que considera "dilacerada pelo egoísmo nacionalista".

"Na Europa, existem aqueles que insistem em tratar o problema como um assunto que não lhes diz respeito", disse o Papa que passou cerca de duas horas no campo de Lesbos em Mavrovouni, onde vivem cerca de 2.200 requerentes de asilo.

No segundo dia da sua visita à Grécia, ele conheceu dezenas de crianças em busca de asilo e parou para abraçar um menino chamado Mustafa.

Mais tarde, as pessoas se reuniram numa tenda para interpretar canções e salmos ao pontífice.

O Papa Francisco advertiu que o Mediterrâneo "está se tornando um cemitério frio sem lápides" e que "depois de todo esse tempo, vemos que pouca coisa mudou no mundo no que diz respeito à questão da migração".

Ele disse que as causas "devem ser confrontadas - não as pessoas pobres que pagam as consequências e são até usadas para propaganda política".

A União Europeia está numa disputa com a Bielorrússia por causa do fluxo de migrantes que viajaram pelo antigo estado soviético para entrar na Polónia, Lituânia e Letónia, nos últimos meses.

Grã-Bretanha e França trocaram farpas sobre o número crescente de migrantes que fazem a travessia mortal do Canal para chegar ao Reino Unido, após o afogamento em massa de 24 de Novembro, que ceifou 27 vidas.

"A visita dele é uma bênção", disse Rosette Leo, uma requerente de asilo congolesa.

'Odisséia moderna terrível'

O acampamento temporário de Mavrovouni foi erguido às pressas depois que o amplo acampamento de Moria, o maior local do gênero na Europa na época, queimou no ano passado.

As autoridades gregas culparam um grupo de jovens afegãos pelo incidente e a segurança foi substancialmente reforçada para a visita do pontífice.

Em Chipre, onde o papa visitou antes da Grécia esta semana, as autoridades disseram que 50 migrantes serão realocados para a Itália graças a Francisco.

As autoridades gregas não descartaram a possibilidade de que alguns migrantes de Mavrovouni possam acompanhá-lo de volta à Itália.

Ele levou 12 refugiados sírios com ele durante sua última visita a Lesbos em 2016.

União Europeia 'dilacerada pelo egoísmo'

No início da sua visita a Atenas no sábado, Francisco disse "hoje, e não apenas na Europa, testemunhamos um retrocesso da democracia", alertando contra as "respostas fáceis do populismo".

Em 2016, Francisco visitou Moria com Bartolomeu I, o líder espiritual dos Cristãos Ortodoxos do mundo, e o Arcebispo Ieronymos II, chefe da Igreja da Grécia.

O campo de Mavrovouni actualmente acomoda 2.193 pessoas e tem capacidade para 8.000, disse um funcionário da unidade, nesta semana.

As autoridades insistem que os procedimentos de asilo e os tempos de processamento são mais rápidos.

Com fundos da União Europeia, a Grécia está a erguer uma série de instalações "fechadas" nas ilhas gregas com cercas de arame farpado, câmeras de vigilância, scanners de raios-X e portões magnéticos que são fechados à noite.

Três desses acampamentos foram abertos nas ilhas de Samos, Leros e Kos. Lesbos e Chios serão abertos no próximo ano.

Manchetes africanas 10 Março: Dezenas de migrantes morreram quando 2 barcos afundaram na travessia do Mediterrâneo
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:00 0:00

Quando os migrantes recebem asilo não são mais elegíveis a permanecer nos campos e muitos não conseguem encontrar acomodação ou trabalho, o que atrai críticas de ONGs e agências de ajuda humanitária.

Os grupos também levantaram preocupações sobre os novos acampamentos, argumentando que o movimentosdas pessoas não deveria ser restringido, bem como alegando que os oficiais da fronteira grega agiram contra os migrantes.

A Grécia nega veementemente as reivindicações, insistindo que a sua guarda costeira salva vidas no mar.

O papa voltou a Atenas após a visita e retornará a Roma na segunda-feira.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG