Links de Acesso

Isabel dos Santos deixa CA da Unitel e fala em clima de conflito permanente e de politização


Isabel dos Santos, empresária angolana

A empresária angolana Isabel dos Santos revelou ter deixado a administração da UNITEL, empresa que criou, por considerar ser “contraproducente e irresponsável permitir que um clima de conflito permanente e de politização sistemática dos administradores se instale no Conselho de Administração”.

Analistas dizem que ela tinha pouca margem de manobra depois da ação da justiça.

Isabel dos Santos deixa CA da Unitel e fala em clima de conflito permanente e de politização -3:00
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:46 0:00

“Após 20 anos dedicados à criação, ao desenvolvimento e ao sucesso da Unitel, optei por deixar o cargo de membro do Conselho de Administração da empresa”, disse Isabel dos Santos num comunicado a que a VOA teve acesso nesta terça-feira, 11.

“Nos anos em que liderei a Unitel ou participei ativamente na sua gestão, crescemos e realizámos um investimento de mais de cinco milhões de dólares na rede, equipamento e formação professional, recorrendo inteiramente a receitas próprias e empréstimos bancários privados e sem qualquer apoio de fundos governamentais ou públicos”, acrescenta Santos, que fala em “honra e orgulho de ter construído uma das primeiras redes de telecomunicações em Angola”.

Ao anunciar a sua saída do Conselho de Administração, por ser “contraproducente e irresponsável permitir que um clima de conflito permanente e de politização sistemática dos admnistiradores se instale no Conselho de Administração”, Isabel dos Santos defende que o órgão gestor da empresa “deve ser ocupado por pessoas dedicadas e com um espírito de equipa, comprometidas com o trabalho rigoroso e produtivo, no interesse da empresa e dos seus colaboradores e clientes”.

A filha do antigo Presidente José Eduardo dos Santos escreveu ainda que “em nome do futuro de Angola, eu e as empresas que dirijo estaremos sempre ao lado do progresso, da economia e da criação de empregos e oportunidades para jovens angolanos”.

A decisão da empresária angolana surge depois de, na passada segunda-feira, a Unitel ter anunciado a realização de uma Assembleia-Geral para deliberar sobre 13 pontos, incluindo uma auditoria forense à gestão da empresa nos últimos 10 anos e recomposição do Conselho de Administração.

Entretanto, analistas ouvidos pela VOA consideram a decisão como “sensata”, mas que “peca por tardia”.

O jornalista Ilídio Manuel diz que Isabel dos Santos, “não tinha condições psicológicas ”para continuar no cargo depois do arresto das suas ações pela justiça angolana" .

Para o jurista Salvador Freira a empresária angolana não resistiu à pressões resultantes dos vários processos que decorrem nos tribunais angolanos e portugueses.

“Ela já não goza de protecção do pai “, lembrou.

Os resultados e a decisões do encontro dos acionistas ainda não foram revelados.

Isabel dos Santos detém 25 por cento do capital social da Unitel, através da empresa dela, Vidatel, enquanto a petrolífera nacional, Sonangol tem 50 por cento, depois da compra dos 25 por cento que detida a PT Ventures, enquanto a Geni, do general Leopoldino Fragoso do Nascimento, “Dino”, possui os restantes 25 por cento.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG