Links de Acesso

Português detido por causa da explosão em Beirute


Explosão em Beirute, Líbano (arquivo)

As autoridades espanholas disseram na quinta-feira que tinham prendido e depois concedido a libertação condicional a um português procurado pela Interpol em relação à explosão no porto de Beirute em 2020, que matou mais de 200 pessoas.

Jorge Moreira, 43 anos, foi detido no aeroporto de Madrid na quarta-feira depois de ter chegado num voo da capital chilena, Santiago, disse um porta-voz da polícia espanhola.

Moreira é procurado no Líbano por alegadamente ter trazido explosivos para o país com ligações à explosão de Agosto de 2020, que devastou bairros inteiros de Beirute.

As autoridades disseram que 2.750 toneladas de fertilizante de nitrato de amónio armazenadas aleatoriamente num armazém portuário desde 2014 tinham pegado fogo, causando uma das maiores explosões não nucleares da história.

O Tribunal Nacional de Espanha ordenou na quinta-feira a libertação condicional de Moreira e proibiu-o de sair do país enquanto este estudava um pedido do Líbano para a sua extradição, disse um porta-voz do tribunal.

Ele é procurado no Líbano pelos crimes de "terrorismo" e "causar a morte através do uso de explosivos", acrescentou o porta-voz.

Acredita-se que o nitrato de amónio chegou a Beirute em 2013 a bordo do Rhosus, um navio de bandeira moldava que navega da Geórgia para Moçambique.

Moreira encomendou o nitrato de amónio como empregado da empresa moçambicana Fabrica de Explosivos de Mocambique (FEM), uma empresa para a qual trabalhou até 2016, segundo o diário português Jornal de Noticias.

Em 2021 um tribunal português rejeitou um pedido do Líbano para a extradição da Moreira porque não tinha recebido a tempo todos os documentos necessários, acrescentou o jornal.

Na altura, Moreira trabalhava como executivo numa empresa de alimentos congelados na cidade de Bragança, no norte de Portugal, acrescentou.

A pedido de um juiz libanês, a Interpol, em 2021, emitiu avisos vermelhos para o proprietário do navio que transportava o amónio, o seu capitão e Moreira.

À espera da investigação de explosivos

Os avisos da Interpol, que não são mandados de captura internacionais, solicitam às autoridades de todo o mundo que detenham provisoriamente pessoas enquanto aguardam uma possível extradição ou outras acções judiciais. A Interpol emite-os a pedido de um país membro.

O Rhosus foi apreendido pelas autoridades libanesas depois de uma empresa ter intentado uma acção judicial contra o seu proprietário por uma disputa de dívida.

Em 2014, as autoridades portuárias de Beirute descarregaram o carregamento e armazenaram-no num armazém abandonado com paredes rachadas.

As investigações sobre a tragédia estão interrompidas desde há meses com os grupos de direitos e familiares das vítimas a denunciarem que há interferência política.

A Human Rights Watch acusou no ano passado altos funcionários do governo, do parlamento e das agências de segurança do país de negligência mortífera que levou à tragédia.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG