Links de Acesso

Pence construiu uma ligação incomparável com os cristãos evangélicos


Mike Pence

O vice-presidente Mike Pence carrega um perfil muito mais alto para o dia da eleição de 2020, depois de quase quatro anos como figura leal ao Presidente Donald Trump, e nove meses como chefe da frequentemente criticada equipa governamental de resposta ao coronavírus.

Há quatro anos, Pence era, a nível nacional, relativamente desconhecido, quando Trump, um político de primeira viagem, o escolheu como seu companheiro para a corrida presidencial. Na época, Pence era governador do estado de Indiana, no meio-oeste, depois um período de seis mandatos como congressista, um total de 16 anos, nos quais ele construiu um histórico sólido de política conservadora, mas enfrentava uma difícil disputa pela reeleição para outro mandato como governador.

Na época, Trump precisava das credenciais conservadoras de Pence para aumentar as suas chances marginais contra a democrata Hillary Clinton. Pence, casado, faz 35 anos com Karen, uma professora, era o oposto de Trump, um empreendedor imobiliário de Nova Iorque e apresentador de ‘reality show’, no seu terceiro casamento.

Mike Pence
Mike Pence

Além disso, Pence havia construído um vínculo incomparável com os cristãos evangélicos, um importante bloco de eleitores conservadores, na sua maioria republicanos, que pode totalizar um quarto do eleitorado americano. Em 2016, Trump ganhou uma grande parte dos votos evangélicos, em larga medida por causa do lugar de Pence na campanha.

Cimentando relações com os evangélicos

Desde então, Trump cimentou as suas relações com os evangélicos com a nomeação de três conservadores para a Tribunal Supremo, quase 200 outros para juízes federais, bem como a sua vigorosa oposição ao aborto.

Desde os seus primeiros dias como político, Pence descreveu-se como "um cristão, um conservador e um republicano, nessa ordem".

A conselheira e confidente mais próxima de Pence é a sua esposa, Karen, que ele conheceu em 1983 num parque de estacionamento da Igreja S.Tomás de Aquino, em Indianapolis. Karen, professora e talentosa pintora, tocava violão na mesma igreja católica. O casal mais tarde tornou-se cristão evangélico.

Pence e a esposa fazem exercícios e oram juntos, diz a imprensa; e o vice-presidente, de acordo com reportagens de 2017, recusa-se a passar refeições com outras mulheres que não a sua esposa.

Perfil de Mike Pence - candidato à vice-presidência dos EUA
please wait

No media source currently available

0:00 0:00:57 0:00

Lealdade extraordinária a Trump

Pence raramente perde a chance de elogiar o seu chefe, o Presidente - e numa reunião de gabinete, em 2017, ele fez 14 elogios separados a Trump, que estava sentado do outro lado da mesa.

No entanto, numa crítica rara durante a campanha de 2016, após o surgimento de um vídeo de Trump fazendo comentários obscenos sobre as mulheres, Pence disse: "Eu não tolero os seus comentários e não posso defendê-los."

Voltando-se para a política de Indiana

Pence, de 61 anos de idade, cresceu em Indiana, formou-se em direito e foi advogado por algum tempo, mas logo se virou para a política. Ele perdeu as suas duas primeiras disputas por uma vaga na Câmara dos Representantes em 1988 e 1990, mas manteve a sua voz e imagem perante os residentes de Indiana como apresentador conservador de um programa de rádio e TV, entre 1994 a 1999.

Finalmente, em 2000, ele ganhou o primeiro de seis mandatos de dois anos na Câmara, onde criou um sólido histórico de votos conservadores e atingiu a liderança do partido republicano. Durante um mandato, ele foi presidente do Comité de Estudos Republicanos, um grupo de legisladores conservadores, mas perdeu uma disputa para se tornar o líder da minoria republicana quando os democratas controlavam a Câmara. Durante os seus 12 anos na Câmara, ele apresentou 90 projetos e resoluções, mas nenhum deles se transformou em lei.

Vice Presidente Mike Pence com a esposa Karen Pence na Convenção Nacional Republicana 2020 em Fort McHenry, Baltimore, Maryland.
Vice Presidente Mike Pence com a esposa Karen Pence na Convenção Nacional Republicana 2020 em Fort McHenry, Baltimore, Maryland.

Governador de Indiana

Pence ganhou o governo de Indiana em 2012 e novamente acumulou uma carteira conservadora. Ele assinou medidas destinadas a restringir o aborto e cortar impostos, junto com uma lei que impede os governos locais do estado de exigir que as empresas paguem salários e benefícios aos trabalhadores mais do que o exigido pela lei federal.

Numa questão que chamou a atenção nacional, Pence assinou uma medida designada Lei de Restauração da Liberdade Religiosa, que permitia que indivíduos e empresas afirmassem como defesa em processos judiciais que o seu exercício religioso era ou provavelmente seria substancialmente sobrecarregado se fossem obrigados a tratar todos os clientes da mesma forma nas transações comerciais. Os conservadores no estado e noutros lugares viam a lei como uma forma de contestar a legalização dos casamentos do mesmo sexo.

Mas depois de protestos de republicanos moderados e empresários que disseram que se recusariam a mudar-se para o estado ou expandir as operações existentes, Pence recuou e alterou a lei para proibir a discriminação com base na orientação sexual e identidade de género.

Vice President Mike Pence com a equipa de trabalho governamental de resposta ao coronavírus
Vice President Mike Pence com a equipa de trabalho governamental de resposta ao coronavírus

Responsável pelo grupo de trabalho do coronavírus

Quando o coronavírus invadiu os Estados Unidos, no início de 2020, Trump entregou a Pence o seu maior papel na Casa Branca, como supervisor dos esforços do governo para conter a propagação do vírus e coordenar os seus esforços de teste e tratamento, ao mesmo tempo que iniciava a pesquisa para desenvolver uma vacina.

Pence presidiu reuniões do grupo de trabalho do coronavírus na Casa Branca e frequentemente atualizava o país sobre a situação da luta contra o vírus em ‘briefings’ diários televisionados. Mas Trump, enfrentando uma difícil disputa de reeleição contra o desafiante democrata Joe Biden, logo assumiu as conferências de imprensa diárias e muitas vezes professou que o vírus estava sob controlo, ou logo estaria, e que uma vacina seria desenvolvida antes do final de 2020 .

Adotando uma perspectiva otimista

Pence também costumava adotar uma perspectiva mais otimista sobre o estado do vírus nos EUA, mesmo com dezenas de milhares de americanos morrendo.

A determinado momento em junho, quando o vírus atingia estados e cidades que haviam escapado do surto inicial, Pence argumentou, tal como como Trump, que o número de casos aumentava porque o país fazia mais testes. Em reuniões privadas com senadores republicanos, ele os exortou a se concentrarem em "sinais encorajadores" na batalha do país contra o vírus.

Em meados de junho, Pence, num artigo de opinião no Wall Street Journal, disse que o pânico sobre o coronavírus foi "exagerado".

“Reduzimos a propagação, cuidamos dos mais vulneráveis, salvamos vidas e criamos uma base sólida para quaisquer desafios que possamos enfrentar no futuro”, concluiu. "Isso é motivo de celebração, não o medo da imprensa".

Conforme o dia das eleições se aproximava e algumas nações ocidentais implementavam novas ordens de encerramento de economias, para controlar seus próprios picos de infeções, Pence prometeu em comentários a apoiantes que nos EUA estratégia se concentraria em “abrir” e não “desligar a nossa economia”.

“Vamos continuar movendo céus e terras para garantir que os nossos hospitais tenham todos os suprimentos necessários para dar o qualidade de atendimento a qualquer pessoa que esteja a lutar contra o coronavirus, que gostaríamos que um membro da família recebesse. Vamos continuar a proteger os vulneráveis, especialmente os nossos idosos. Vamos continuar a salvar vidas e desenvolver medicamentos que salvam vidas”, disse Pence.

Essas observações vieram dias depois que o chefe de gabinete de Pence, Marc Short, e vários outros assessores testaram positivo para COVID-19. O vice-presidente, assim como sua esposa, tiveram teste negativo, e ele continuou a fazer campanha em todo o país. O surto em seu redor foi seguido por um maior, no qual Trump, a primeira-dama Melania Trump, seu filho Barron e mais de vinte de assessores da Casa Branca, funcionários e parceiros foram infectados.

A pandemia não diminuiu

Apesar da opinião de Pence, a pandemia não diminuiu. O número de mortos nos EUA já ultrapassou 230 mil, de acordo com a Universidade Johns Hopkins, e o número de casos confirmados totaliza 9,2 milhões. São os números mais altos do mundo.

A abordagem da Casa Branca ao vírus, que incluiu pouco uso de máscaras pelos líderes, a realização de eventos de campanha em que muitos participantes também não usavam máscaras, atraiu críticas dos democratas e de funcionários da saúde pública. O antecessor de Trump, o ex-presidente Barack Obama, culpou o governo na semana passada por ser muito lento e não agressivo o suficiente.

Leia Também:

Trump: Luta contra ventos contrários devido à gestão da pandemia do novo coronavírus

Quem é e o que quer Joe Biden

Kamala Harris procura fazer história por entre uma campanha presidencial confusa e dura

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG