Links de Acesso

Moçambique: Jihadistas raptaram 600 mulheres e raparigas desde 2018 em Cabo Delgado


Imagem de arquivo: Mulheres de Palma, Cabo Delgado, Moçambique

Mulheres e raparigas foram raptadas durante ataques a cidades e aldeias pelos insurgentes conhecidos localmente como Al-Shabab, diz a HRW

Combatentes ligados ao Estado Islâmico que praticam uma insurreição brutal no norte de Moçambique raptaram mais de 600 mulheres e crianças durante os últimos três anos, diz a Human Rights Watch nesta terça-feira, 7.

"Um grupo armado ligado ao Estado Islâmico (ISIS) raptou e escravizou, desde 2018, mais de 600 mulheres e raparigas na província de Cabo Delgado do norte de Moçambique", disse o grupo de direitos num comunicado.

Algumas foram libertadas pelas forças moçambicanas e estrangeiras destacadas este ano para ajudar a reprimir a violência que tem causado estragos na região desde Outubro de 2017.

Mas algumas ainda estão desaparecidas, segundo aquela organização de defesa dos direitos humanos.

Mulheres e raparigas foram raptadas durante ataques a cidades e aldeias pelos militantes conhecidos localmente como Al-Shabab, embora não tenham qualquer ligação conhecida ao grupo com um nome semelhante na Somália.

O grupo força as jovens mulheres e raparigas a "casar" com os seus combatentes "que as escravizam e abusam sexualmente", enquanto algumas foram vendidas a insurgentes estrangeiros por entre 600 e 1.800 dólares, afirma HRW.

Raptada por insurgentes, menina foi obrigada a esquartejar um homem e a matar uma mulher grávida
please wait

No media source currently available

0:00 0:06:13 0:00

"Um número desconhecido de mulheres e raparigas permanece em cativeiro em Moçambique, enfrentando diariamente abusos horríveis, incluindo escravatura e violação por combatentes de Al-Shabab", disse Mausi Segun, director de África da HRW.

A HRW baseou o seu relatório em investigações, incluindo entrevistas com antigas raptadas ou seus familiares, fontes de segurança e funcionários do Governo.

A agitação que assolou a rica região norte de Moçambique rica em gás reclamou pelo menos 3.578 vidas, incluindo 1.575 civis, de acordo com a organização ACLED, sedeada nos Estados Unidos, que tem vindo a seguir os conflitos.

Mais de 800 mil outros foram deslocados, de acordo com o Governo e agências da ONU.

Cabo Delgado: “Sonhos atrasados, muitas almas sem esperança”, Moreira Chonguiça, após visitar deslocados de guerra
please wait

No media source currently available

0:00 0:17:54 0:00


Desde Julho, mais de 3.100 soldados africanos, europeus e norte-americanos foram destacados para a província de Cabo Delgado, a fim de pôr termo à agitação.

(AFP)

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG