Links de Acesso

Membro sénior da Renamo elogia retirada de militares na Gorongosa

  • Ramos Miguel

Afonso Dhlakama na Gorongosa

"Não basta, a Renamo devia também apresentar as suas armas," diz o ministro da Defesa de Moçambique.

Um quadro sénior da Renamo disse, no fim-de-semana, que a retirada das forças governamentais de posições circunvizinhas da serra da Gorongosa abre caminho para uma paz efectiva e uma verdadeira reconciliação entre os moçambicanos.

Mas o Governo diz que isso passa pelo desarmamento do braço armado daquele partido.

Esta questão levanta polémica. O líder da Renamo, Afonso Dhlakama, diz que não há movimentação alguma; e o governo afirma que isso não corresponde à verdade.

Refira-se que o Governo prometeu levar jornalistas a Gorongosa para confirmarem a retirada das tropas governamentais das posições próximas do local, onde se presume se encontre escondido Afonso Dhlakama.

Entretanto, Gamia Mussagy, membro da Comissão Política da Renamo e deputada da Assembleia da República, diz estar "feliz por ouvir dizer que as oito posições das forças governamentais já foram removidas (da Gorongosa)".

"É graticante," sublinhou Mussagy.

Alguns académicos disseram à VOA que "é bom ouvir isso, dito por um quadro sénior da Renamo".

Mas o ministro moçambicano da Defesa, Salvador M'tumuke, diz ser fundamental o desarmamento dos guerrilheiros da Renamo, considerando que o anúncio unilateral feito pelo Chefe de Estado, relativo à retirada das forças de defesa e segurança da Gorongosa, "não basta, a Renamo devia também apresentar as suas armas".

Outros analistas entendem que a aposta numa solução política para a questão do desarmamento dos homens armados da Renamo que está a ser seguida, não parece ser sustentável.

A transformação da Gorongosa num centro histórico e económico, capitalizando sobretudo a actividade turística, é tida por analistas como a solução mais sustentável, porque isso vai garantir a sustentabilidade das pessoas que possam ser desarmadas.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG