Links de Acesso

Mais de 100 mil migrantes e refugiados cruzaram o Mediterrâneo em 2017


Itália diz não ter como enfrentar a crise

Dados da Organização Internacional das Migrações indicam redução em relação a 2016

Mais de 100 mil migrantes e refugiados chegaram desde Janeiro a Europa depois de atravessar o Mar Mediterrâneo, enquanto 2.247 morreram ou são considerados desaparecidos, anunciou nesta terça-feira, 4, em Genebra a Organização Internacional para as Migrações (OIM).

Quase 85 mil chegaram às costas italianas, 9.300 à Grécia e 6.300 desembarcaram na Espanha.

No total, a OIM calcula em 101.210 o número de pessoas que chegaram ao velho continente.

No mesmo período de 2016 - entre 1 de Janeiro e 3 de Julho - o número de pessoas que chegaram à Europa foi duas vezes superior (231.503).

A diferença este ano é que quase 85 por cento dos migrantes desembarcaram na Itália, enquanto em 2016 a maioria chegou à Grécia.

Itália diz estar saturada

Na semana passada, a Itália ameaçou nesta impedir a entrada de navios com bandeira estrangeira que transportam migrantes resgatados no Mediterrâneo.

O diretor geral da OIM, William Lacy Swing, pediu aos membros da União Europeia (EU) que ajudem os países do sul da Europa a receber e ajudar os migrantes resgatados no mar.

O tema "não pode ser visto como um problema somente para a Itália, e sim como uma questão de toda a Europa", disse.

A Guarda Costeira italiana, que coordena as operações de resgate no Mediterrâneo, explicou que inúmeros barcos estrangeiros, vários deles fretados por organizações não governamentais, participam destas operações.

Os migrantes são transportados para os portos italianos, de onde costumam ser divididos nos vários centros de acolhimento que estão saturados.

Dos 3.000 migrantes que morreram em todo o planeta desde o início do ano, mais de 2.200 perderam a vida quando tentavam chegar a Europa.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG