Links de Acesso

COVID-19: Falta oxigénio no Myanmar, Austrália regista primeira morte em 2021


Pessoas são testadas para a COVID-19 em Ruili, Myanmar. 5 de Julho 2021

O Myanmar está a enfrentar um aumento repentino de casos de COVID-19, o que levou a uma escassez de suprimentos de oxigênio de que os pacientes com COVID-19 precisam desesperadamente, dizem as autoridades.

"O oxigênio é mais raro do que o dinheiro", disse Soe Win, morador de Yangon, a maior cidade de Myanmar, à Associated Press. Ele ficou na fila de uma fábrica por seis horas na tentativa de garantir oxigênio para a sua avó doente, que está a sofrer com os sintomas de COVID-19, a doença causada pelo coronavírus.

No ano passado, o país conseguiu manter o surto de COVID-19 sob controle com estritas restrições impostas pela líder civil Aung San Suu Kyi, além da inoculaçao com vacinas da Índia e da China.

No entanto, Suu Kyi foi deposta em Fevereiro pelos militares e as pessoas estão relutantes em ir a hospitais militares. Além disso, os profissionais médicos foram um grande componente do movimento de desobediência civil do país após a expulsão de Suu Kyi, que instou as pessoas a não confiarem os seus cuidados nas mãos do governo impopular.

"Sob Suu Kyi, o governo e os voluntários trabalharam juntos para controlar a doença, mas é difícil prever o que o futuro reserva sob o regime militar", disse Zeyar Tun, fundador do grupo de ação cívica Clean Yangon, à AP.

O general sénior Min Aung Hlaing, o novo líder do país, ordenou que as fábricas de oxigênio na sexta-feira funcionassem em plena capacidade e o governo anunciou que as escolas ficarão fechadas por duas semanas.

Novos casos na Austrália

No domingo, a Austrália anunciou a sua primeira morte relacionada ao coronavírus em 2021 e 77 novos casos de COVID-19 em Nova Gales do Sul. As autoridades não identificaram a mulher que morreu, apenas a descreveram como tendo 90 anos. As autoridades disseram que ela morreu no sábado, poucas horas depois de ser diagnosticada com COVID-19, adquirida localmente.

A Austrália teve muito sucesso em conter a disseminação de COVID-19 devido a esforços agressivos de bloqueio, registando apenas 31.103 casos confirmados e 911 mortes, de acordo com o Centro de Recursos de Coronavírus Johns Hopkins.

No entanto, o país mostrou-se vulnerável a novos surtos devido a um lançamento lento da sua campanha de vacinação e requisitos confusos envolvendo a vacina dupla AstraZeneca, que é a vacina dominante no seu stock.

Na Bélgica, pesquisadores descreveram no domingo o caso raro de uma mulher de 90 anos que foi acometida pelas variantes alfa e beta do coronavírus. A mulher morreu em Março.

"Este é um dos primeiros casos documentados de co-infecção com duas variantes preocupantes do SARS-CoV-2", disse a bióloga molecular e autora do estudo Anne Vankeerberghen, de acordo com a AFP.

O primeiro-ministro da Índia, Narendra Modi, e vários estados indianos anunciaram propostas para ajudar crianças órfãs durante a pandemia do coronavírus. Os planos incluem subsídios mensais para as crianças, bem como fundos estabelecidos para a educação e cuidados de saúde das crianças.

A Índia relatou mais de 41.000 novos casos COVID-19 no domingo. Durante a pandemia, a Índia registou 30,8 milhões de casos de COVID-19 e mais de 408.000 mortes, de acordo com o Centro de Pesquisa Johns Hopkins. Os EUA lideram o mundo em número de infecções, com 33,8 milhões, e mortes relacionadas ao COVID-19, com 607.132.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG