Links de Acesso

Civis continuam a fugir de ataques de rebeldes no Niassa


Tropas do Ruanda em Moçambique, (Foto de arquivo)

Na África do Sul há pressões para envio de material de guerra mais sofisticado para o norte de Moçambique

Quase 4.000 pessoas fugiram das suas aldeias no último mês devido a crescentes ataques de rebeldes islâmicos na província do Niassa no norte de Moçambique, disse uma fonte governamental.

“Há 3.803 deslocados até agora ...que fugiram de zonas atacadas no distrito de Mecula”, disse Felismino Patrício, porta –voz do governo do Niassa à agência France Press (AFP).

Recentemente registou-se um aumento de ataques dos insurgentes vindos da província de Cabo Delgado onde se iniciaram os ataques.

Os rebeldes efectuaram o seu primeiro ataque no distrito de Mecula na província do Niassa no final do mês de Novembro e desde então têm levado a cabo ataques a várias aldeias cuasando a morte de uma dezena de pssoas.

Os deslocados estão refugiados na cidade de Mecula onde estão colocados em escolas governamentais ou recebem abrigo de amigos e familiares.

“Todos os dias pessoas continuam a chegar de aldeias fugindo aos ataques”, disse um residente da cidade de Mecula que pediu anonimato à AFP.

Regina Atanásio, de 30 anos de idade disse por seu turno que abandonou a sua aldeia em Lichengue no passado dia 15 de Dezembro depois de ataques dos insurgentes.

“Começaram a atacar ás 18 horas e o meu marido e eu fugimos com os nossos filhos”, disse Atanásio .

As autoridades locais disseram que um inspector da policia foi morto e dezenas de pessoas foram raptadas durante um ataque a 23 de Dezembro .

Um outro deslocado disse pelo telefone que mulheres foram raptadas no útlimo ataque que ocorreu na passada segunda-feira em Alassima a cerca de cinco quilómetros da cidade de Mecula.

Os ataques na província do Niassa começaram depois da chegada de tropas do Ruanda e de paises da SADC à província de Cabo Delgado que resultou na fuga dos insurgentes dessa proinvica para o vizinho Niassa.

Desde Julho mais de 3.000 soldados estrangeirsos foram estacionados em Cabo Delgado para fazer frente à rebelião.

Pressões para África do Sul enviar apoio aéreo de combate

Na África do Sul há entretanto pressões para o envio de material de guerra mais sofisiticado para Cabo Delgado.

Na sequência da morte em combate de um membro das Forças Especiais sul-africanas houve criticas à falta de meios para apoiar destacamentos envolvidos em combate.

O Secretário Geral do Sindicato da Defesa Nacional Pikkie Greef disse então que as forças sul-africanas em Cabo Delgado “continuam sem apoio aéreo como helicópteros ou aviões de combate”.

“Isto é lamentável porque isso é potencialmente decisivo nesta operação”, disse .

Por seu turno Kobus Marais , porta-voz para questões militares da Aliança Democrática, o maior partido da oposição, disse na mesma ocasião que a SADC “tem que aceitar e preparar e apoiar as nossas forças ou então retirar as nossas tropas de zonas de guerra”.

“Helicópteros Rooivalk e aviões de combate Griffen deveriam estar preparados para fornecer apoio aéreo”, disse.

Oficialmente a África do Sul gem actualmente 1495 soldados estacionados em Cabo Delgado, entre os quais membros das Forças Especiais do exército

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG