Links de Acesso

Casamentos prematuros na origem do abandono escolar em Nampula

  • Adina Sualehe

Pobreza e falta de escolaridade dos país levam a casamentos prematuros na província moçambicana

Autoridades governamentais e organizações da sociedade civil procuram alternativas para estancar os casamentos prematuros em Moçambique, em geral, e na província nortenha de Nampula, em particular, que, para além de ser mais populosa, apresenta a maior taxa de prevalência dos casos com cerca de 62 por cento.

Os distritos Mecuburi, Mogovolas, Erati, Murrupula e Moecate lideram a lista de maior índice de meninas que se casam em Nampula antes dos 16 anos de idade, deixando para trás o sonho de estudar e de se formar.

Dados dos ministérios da Educação e Saúde apontam que cerca de 915 raparigas menores de idade abandonaram no ano passado a escola devido a casamentos prematuros em Nampula e 7.405 raparigas menores grávidas procuraram os serviços de consulta pré-natal nas diferentes unidades sanitárias.

Trinta e um por cento delas perderam a vida por complicações de parto.

Apesar da idade admissível para ocasamento em Moçambique ser a partir dos 18 anos de idade e de o país possuir uma estratégia de combate aos casamentos prematuros, as organizações que trabalham nesta área ainda enfrentam sérias dificuldades para combater o fenómeno, que se prendem com questões culturais associadas ao baixo nível de escolaridade dos pais e à pobreza extrema na qual vive o maior número das famílias moçambicanas.

Rosmina Sacur, chefe provincial do Programa de Saúde Escolar Adolescente e Jovem, recorda que o casamento prematuro tem várias consequenciais, desde a gravidez precoce à fístula obstétrica, passando por doenças de transmissão sexual e a mortalidade materna.

As crianças nascidas fruto da gravidez precoce correm um maior risco de sofrerem de desnutrição.

Rosita Andaruce, é mãe de 5 filhos, entre eles quatro meninas e disse à VOA que o que leva os pais a oferecerem as suas filhas em casamento é a gravidez.

A filha mais velha de Rosita engravidou aos 14 anos, mas, ao contrário de muitas, a mãe não a entregou ao casamento e incentivou-a continuar com os estudos.

Rosita apela às famílias a não obrigarem as suas filhas a casarem-se cedo e diz ser necessário deixar que as raparigas decidam o seu futuro.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG