Links de Acesso

Autoridades angolanas processam envolvidos na atribuição de BI e cartões do MPLA a estrangeiros


António José Bernardo, porta-voz da da Operação Transparência

Operação Transparência "fecha" quase 300 lojas de venda ilegal de diamantes

As autoridades angolanas vão processar todos os envolvidos na atribuição de Bilhetes de Identidade (BI) e cartões de eleitores e de militantes do MPLA exibidos por estrangeiros deportados durante a Operação Transparência, dirigida a garimpeiros ilegais.

Polícia vai levar a tribunal aqueles que deram BIs e cartões de eleitore a congoleses - 1:18
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:18 0:00

O anúncio foi feito pelo porta-voz da operação, comissário António Bernardo que revelou também o encerramento de 279 casas de compra e venda de diamantes e 122 cooperativas em sete províncias

O Ministério da Administração e Território e Reforma do Estado (MATRE), instituição respponsável pela emissão dos cartões de eleitores exibidos pelos emigrantes da República Democrática do Congo (RDC), repatriados do país no âmbito da operação Transparência, o MPLA e o Ministério da Justiça, que emite os BI, ainda não se pronunciaram sobre o assunto.

Bernardo afirmou em conferência de imprensa realizada em Malange, na quarta-feira, 14, que, durante os 50 dias de operação transparência, 279 casas de compra e venda de diamantes foram fechadas pelo como 122 cooperativas em sete províncias.

Na província de Malanje foram encerradas 26 casas de compra e venda de diamantes, 191 na Lunda Norte, 18 na Lunda Sul, quatro no Uíge, 39 no Bié e uma no Kwanza Sul.

Na operação vários meios foram retidos e milhares de estrangeiros repatriados.

António Bernardo reiterou que a Operaçao Transparência visa, essencialmente, combater a imigração ilegal e a extracção ilícita de diamantes, bem como travar as agressões ao ambiente.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG