Links de Acesso

Angola: "Transparência de Fundo Soberano é fundamental", dizem analistas


Plataforma petrolifera em Cabinda (Novo Jornal)

O Fundo Soberano Angolano foi constituído com uma dotação inicial de 5 mil milhões de dólares

A criação de um Fundo Soberano de Angola teve por objectivo reduzir a exposição da economia nacional às oscilações do preço do petróleo e criar as condições para um crescimento sustentável.

Apresentado recentemente em Luanda, o Fundo Soberano Angolano foi constituído com uma dotação inicial de 5 mil milhões de dólares a ser aplicada em projectos com potencial de crescimento em Angola e no estrangeiro, em particular na África ao sul do Saara.

Administrando recursos provenientes, na sua maior parte, da venda de recursos minerais e de petróleo, o fundo vai ser gerido por um conselho de administração com três membros presidido por Armando Manuel, conselheiro de assuntos económicos do Presidente de Angola.

please wait

No media source currently available

0:00 0:19:19 0:00
Faça o Download


Segundo um comunicado divulgado em Luanda, a administração do fundo responderá “exclusivamente perante o seu único accionista, o governo de Angola”, através de um regime de “análise de desempenho”, que inclui a divulgação pública do relatório anual de contas na imprensa angolana e a nomeação de auditores independentes reconhecidos internacionalmente.

Espera-se que o foco de investimentos seja, inicialmente, as infra-estruturas angolanas, partindo depois para a construção de uma carteira de activos no estrangeiro, em economias emergentes de África e da Ásia.

Em Luanda alguns economistas consideram a decisão da criação do fundo soberano de Angola, como sendo uma medida acertada ao mesmo tempo que levantam receios sobre a transparência da sua gestão e os critérios utilizados para a sua constituição.

Para nos falar sobre o assunto, ouvimos os economistas, Carlos Rosado de Carvalho e Filomeno Vieira Lopes.

A sua Opinião

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG