Links de Acesso

Angola Fala Só - "O sacrifício é o caminho da liberdade" - Arão Tempo


Arão Bula Tempo, presidente do Movimento de Reunificação do Povo de Cabinda
13 Dez 2019 Angola Fala Só: Arão Tempo "O sacrifício é o caminho da liberdade"
please wait

No media source currently available

0:00 0:59:59 0:00


Não é verdade que os movimentos de Cabinda estejam desunidos, disse no programa “Angola Fala Só” o jurista e presidente do Movimento de Reunificação do Povo de Cabinda para a sua Soberania (MRPCS), Arão Bula Tempo.

Para Tempo os diversos movimentos estão unidos no seu objectivo de que a independência do enclave sendo parte dos seus direitos teme opiniões diferentes sobre outras questões.

“Estamos unidos porque temos a mesma visão”, disse.

Contudo durante o programa rejeitou participar no Alto Conselho de Cabinda recentemente formado em Accra, no Gana, afirmando existirem nesse movimento “elementos não identificados que não participam na luta”.

Por isso o Alto Conselho “não inspira” e MRPCS não se identifica com essa organização.

A história de Cabinda foi alvo de um debate sobre factos históricos entre o convidado e o cientista político Issau Agostinho que pôs em causa os argumentos usados para se advogar a indepêndencia do território.

Essa troca de opiniões sobre os factos históricos do território foi concluída por Arão Tempo com a afirmação de que tudo isso deveria ser alvo de um debate aberto com todas as forças, incluindo o governo angolano, para se acabar com dúvidas sobre a situação.

Tempo explicou que o MRPCS é um movimento que luta só por meios pacíficos e descreveu a actual situação em Cabinda de “caótica”, caracterizada por detenções arbitrárias, intolerância política, “polícia em toda a parte”, e uso da violência.

Arão Tempo disse que dez militantes foram presos durante a semana por tentarem realizar uma manifestação em prol de um referendo sobre a independência. Os militantes estão sendo acusados de rebelião e associação de malfeitores, o que é uma violação da própria constituição angolana.

“Uma manifestação não é um crime”, disse.

Interrogado por um ouvinte sobre o facto de muitos cabindas pertencerem às forças de segurança de Angola e oporem-se à independencia, o jurista e activista de Cabinda disse que isso aconteceu em todos os territórios colonizados lembrando que na própria Angola muitos angolanos lutaram ao lado de Portugal ou mantiveram-se indiferentes
à luta de libertação.

Arão Tempo rejeitou a participação no sistema eleitoral angolano, mesmo a nível local.

“Não nos revemos nas autarquias”, disse.

Interrogado sobre se mantém contactos com representantes dos partidos angolanos, Arão Tempo disse que se limitam a cortesias individuais entre pessoas que se conhecem.

“O MPLA nunca estendeu a mão”, disse Arão Tempo que acrescentou que o maior partido da oposição angolana, a UNITA “nunca reconheceu” o direto à independência do povo de Cabinda.

O presidente do MRPCS reconheceu que não será facil atingir os objectivos porque luta.

“O sacrificio é o caminho da liberdade”, disse.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG