terça-feira, 04 agosto, 2015. 17:47 UTC

Notícias / Estados Unidos

EUA consideram situação humanitária no Congo a mais volátil de África

Johnnie Carson: O governo dos Estados Unidos tem sido paciente, mas vai continuar a pressionar os governos envolvidos para por fim à violência

Johnnie Carson, responsável do Departamento de Estado para os assuntos africanos
Johnnie Carson, responsável do Departamento de Estado para os assuntos africanos
Vários congressistas norte-americanos solicitaram à administração Obama para agir com firmeza contra o Ruanda pelo apoio que presta aos rebeldes do M23 que aterrorizam civis na região leste da República Democrática do Congo.

A subcomissão para África, a Saúde e os Direitos Humanos realizou na terça-feira uma audiência sobre a crise no leste do Congo.


O secretário de Estados adjunto para os Assuntos Africanos no Departamento de Estado, Johnnie Carson, afirmou que se agravou a situação para os residentes naquela região desde que, em Abril passado, os elementos do M23 se revoltaram contra o governo e assumiram o controlo da região.

“A situação de segurança e humanitária no Congo é a mais volátil de toda a África”.

Carson indicou que cinco milhões de pessoas morreram na República Democrática do Congo, desde 1997, em resultado da violência interétnica.

Carson sublinhou existir provas de que as Nações Unidas e outras fontes de que o governo do Ruanda presta ajuda aos rebeldes do M23, e apelou ao Ruanda para que ponha termo a tal apoio.

O presidente da subcomissão, o Republicano de Nova Jersey, Chris Smith, indicou que sucessivas administrações americanas têm negligenciado assumir posição firme contra o Ruanda, devido ao facto que os Estados Unidos não terem impedido o genocídio de 1994.

“Devemos ultrapassar o que ocorreu há 18 anos atrás. Tal como refere uma mensagem de uma ONG enviada ao presidente Obama, os Estados Unidos devem agir como os aliados europeus, que cortaram a assistência ao Ruanda devido à ingerência na República Democrática do Congo”.

O congressista republicano Tom Marino de Pensilvânia perguntou a Carson durante quanto tempo mais a administração Obama vai tentar negociar com os dirigentes do Uganda, da República Democrática do Congo e do Ruanda enquanto os civis continuam a morrer.

Johnnie Carson referiu que o governo dos Estados Unidos tem sido paciente, mas vai continuar a pressionar os governos envolvidos para por fim à violência.

O secretário de Estados adjunto para os Assuntos Africanos recordou que o governo norte-americano cortou o financiamento militar ao Ruanda sendo dos primeiros países a adoptar a sanção.

Os analistas receiam que seja difícil obter um acordo de paz nas conversações entre o presidente congolês Joseph Kabila e os rebeldes do M23, e que mais civis venham a morrer ou sejam deslocados.
O forúm foi encerrado
Comentário
Comentários
     
por: Anónimo
13.12.2012 10:56
O KAGAME TEM ACESSORES Q O ACONSELHAM CRIAR ESSA CONFUSAO PARA APROVEITAREM DIVIDIR O CONGO NAS ZONAS DE MENERIAS PARA Q ELES APROVEITEM COMPRAR OS TAIS MINERAIS , QUEM FORNECE AS ARMAS AOS REBELDES , QUANDO O MOBUTU ESTEVE NO PODER ONDE O RUWANDA DO KAGAME ANDOU ? PORQ OS AMERICANOS Q ERAM ALIADOS DO ZAIRE PERMITEM ISSO AGORA ? ACREDITO Q ISSO E O TAL VAMPIRISMO

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Manchetes Africa 3 de agosto 2015i
X
03.08.2015 19:31
Mais Vídeos