sábado, 30 maio, 2015. 04:19 UTC

Moçambique

Moçambique: Governo e Renamo definem termos de negociação

Na próxima segunda-feira inicia-se a verdadeira discussão dos assuntos apresentados pela Renamo nomeadamente a composição da CNE.

Imagem nocturna de Maputo
Imagem nocturna de Maputo
Simião Pongoane
O governo moçambicano e a Renamo anunciaram que vão retomar na próxima segunda feira as conversações para ultrapassar os vários diferendos que opõem as duas partes.
Ontem os dois lados aprovaram os termos de referência para o diálogo e estabeleceram o prazo de 30 dias, a partir da próxima semana, para acabar a discussão dos pontos colocados pela Resistência Nacional de Moçambique. A imprensa ainda não teve acesso ao documento dos termos de referência.

Mas o estabelecimento de um prazo de 30 dias é um desafio considerado muito complicado para as duas partes que se desconfiam mutuamente, apesar de que o Ministro da Agricultura e chefe da equipa negocial do Governo, José Pacheco, acredita que as cinco rondas de conversações criaram uma base de confiança mutua.

Entretanto, o deputado e chefe da equipa negocial da Renamo, Saimone Macuiane, evita falar de cordialidade, mas reconhece que os moçambicanos estão a espera de resultados positivos no diálogo entre o governo e o antigo movimento rebelde para a consolidação da paz e da democracia, seriamente ameaçadas.

Na próxima segunda-feira, as duas partes iniciam a verdadeira discussão dos assuntos apresentados pela Renamo, nomeadamente composição da Comissão Nacional de Eleições, com base em paridade numérica entre a Renamo e a Frelimo, retirada das Forcas de Intervenção Rápida de Gorongosa, onde se encontra Afonso Dhlakama, reorganização das Forcas Armadas de Defesa de Moçambique, com a reintegração dos elementos da Renamo, que foram desmobilizados e despartidarizacao das instituições do Estado.

São assuntos considerados delicados e sensíveis, sendo que alguns relacionados com a Constituição da República. a CNE já está a funcionar, mas a Renamo ainda não indicou os seus elementos, porque exige paridade numérica com a Frelimo.

Este é considerado o assunto mais complicado, já que as eleições municipais foram marcadas para 20 de Novembro próximo e a Renamo ameaça boicota-las e inviabiliza-las.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Qui 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sexta-feira 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Sakala: "Huambo é caso para tribunal internacional; Cabinda devia ser região autónoma"i
X
29.05.2015 15:05
Alcides Sakala, porta-voz da UNITA, principal partido da oposição em Angola, fala do caso Kalupeteka (dezenas de pessoas morreram de forma misteriosa), considerando-o o ponto mais alto das violações dos direitos humanos. Cabinda por seu lado devia ser autónoma como a Madeira. Entrevista a 22 de Maio
Vídeo

Vídeo Sakala: "Huambo é caso para tribunal internacional; Cabinda devia ser região autónoma"

Alcides Sakala, porta-voz da UNITA, principal partido da oposição em Angola, fala do caso Kalupeteka (dezenas de pessoas morreram de forma misteriosa), considerando-o o ponto mais alto das violações dos direitos humanos. Cabinda por seu lado devia ser autónoma como a Madeira. Entrevista a 22 de Maio
Vídeo

Vídeo Protestos em Bujumbura

O ambiente em Bujumbura continua sob muita tensao. Hoje foi dia de protestos na capital do Burundi
Vídeo

Vídeo Manchetes do Mundo 25 de Maio 2015

As imagens noticiosas do mundo
Mais Vídeos