sexta-feira, 01 agosto, 2014. 09:49 UTC

Notícias / Mundo

Censura continua a assediar publicações na internet na China

Governo chinês mantem-se silêncio apesar de provas de envolvimento do partido Comunista

Agentes de segurança chineses em guarda em frente à sede do jornal Southern Weekly, no dia 7 de Janeiro
Agentes de segurança chineses em guarda em frente à sede do jornal Southern Weekly, no dia 7 de Janeiro

Multimédia

Áudio
Redacção VOA
— Um debate sobre a censura do governo chinês no influente Southern Weekly (Semanário do Sul), continua a gerar discussões nos portais de internet mais populares na China.

Apesar dos esforços dos monitores em censurar a discussão, alguns proeminentes defensores da do jornal em questão, encontraram formas para enviar mensagens codificadas de apoio.

Li Chengpeng, um conhecido bloguista com mais de 6 milhões de seguidores, no Weibo, - o equivalente de Twitter chinês - comentou que os seus comentários foram duas vezes apagados pelos censuradores.

“Podem apagar a palavra, mas não a dignidade” – escreveu Chengpeng.
Outros utilizadores publicaram mensagens idênticas queixando-se que os seus comentários tinham sido “harmonizados” – uma expressão chinesa que refere a censura online de comentários sensíveis.

Mensagens como essas destacam a rigidez da censura online acompanhando o braço de ferro entre os jornalistas do Southern Weekly e as autoridades que alegadamente alteraram a mensagem do Ano Novo do jornal. O editorial, que originalmente apelava para reformas constitucionais na China foi substituído com uma peça que saudava o partido Comunista.

As alegações de censura têm causado um misto de sentimentos, com os académicos e analistas a apelaram para uma reforma radical do sistema de gestão da imprensa no país.
“O que defendemos não é apenas um jornal, mas sim o direito de liberdade de expressão para os cidadãos” escreveu um internauta em Pequim que se apresenta pelo nome de Um Mundo Verdadeiro. Adiantou ainda e passamos a citar “o que opomos não é apenas alguns membros ferozes do governo, mas um sistema repulsivo que oprimi a humanidade”, fim da citação.

Na sua contada de internet, Zheng Tingxin o editor do Southern People Weekly – Semanário do Povo do Sul, detido pela mesma proprietária do Southern Weekly, publicou uma fotografia mostrando câmaras a serem instaladas em frente ao edifício do jornal em Guangzhou.

Centenas de manifestantes concentraram-se a frente das instalações do jornal na Segunda-feira carregando flores de crisântemo e de jasmim, e placards com mensagens de apoio ao jornal em causa.

Hoje uma escaramuça irrompeu-se entre apoiantes do jornal e um pequeno grupo pro-esquerdista que empunhava posters do seu presidente Mao e mensagens de apoio ao partido comunista chinês pela defesa do Maoismo e ataques contra imprensas traidoras.

Esses slogans pro-partido comunista dão corpo as alegações feitas pela imprensa estatal segundo as quais os protestos estariam a ser orquestrados por “forças hostis estrangeiras” e que não iriam ter impacto na forma como a China gere a imprensa.
Até ao momento não houve reacções das autoridades chinesas de alegadas interferências do departamento de propaganda acerca do editorial do Ano Novo do Semanário do Sul.

Alguns observadores acreditam que o incidente poderá ter dado a liderança a oportunidade para levar a cabo os seus apelos de reforma, que vêm ganhando terreno desde que o novo líder do partido comunista, Xi Jinping tomou posse.
O forúm foi encerrado
Comentários
     
Năo existem comentários. Seja o primeiro

Siga-nos

Rádio

AudioAngola Fala Só: Ao Vivo I Mp3

Sexta 16:30 - 17:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Seg-Sexta 17:00 - 18:30 UTC
 

AudioEmissão Vespertina: Ao Vivo I Mp3

Sáb-Dom 17:00 - 18:00 UTC

Os Nossos Vídeos

Your JavaScript is turned off or you have an old version of Adobe's Flash Player. Get the latest Flash player.
Ivan Collinson - Participante Yalii
X
31.07.2014 20:06
Ivan Collinson - Participante Yali. Veio de Moçambique e é director adjunto do registo académico da Universidade Eduardo Mondlane. Ivan sente-se mais africano depois de participar na Iniciativa Jovens Líderes Africanos nos EUA
Vídeo

Vídeo Ivan Collinson - Participante Yali

Ivan Collinson - Participante Yali. Veio de Moçambique e é director adjunto do registo académico da Universidade Eduardo Mondlane. Ivan sente-se mais africano depois de participar na Iniciativa Jovens Líderes Africanos nos EUA
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 31 Julho 2014

Câmara dos Representantes indicia processo contra Presidente Barack Obama
Vídeo

Vídeo Manchetes Africanas 31Julho 2014

Da propagação do vírus do ébola, aos ataques do Boko Haram. Os títulos que marcam a actualidade de África
Vídeo

Vídeo Cadija Mané - Participante Yali

Cadija Mané - Participante Yali. Veio da Guiné-Bissau, onde trabalha como coordenadora da Casa dos Direitos. Regressa para a Guiné com mais determinação e força de vontade para mudar as coisas
Vídeo

Vídeo Vilma Nhambi - Participante Yali

Vilma Nhambi - Participante Yali. Veio de Moçambique e tem um projecto com mulheres e adolescentes nas zonas rurais.
Vídeo

Vídeo Selma Neves - Participante Yali

Selma Neves - Participante Yali, veio de Cabo Verde. É Presidente da Incubadora, uma cooperativa de empoderamento de mulheres e fica por mais dois meses para um estágio em Nova Iorque
Vídeo

Vídeo Manchetes Americanas 29 Julho 2014

Os principais assuntos que fazem a actualidade dos Estados Unidos da América, com Bruna Ladeira
Vídeo

Vídeo Majo Joseph - Participante Yali

Majo Joseph - Participante Yali veio de Moçambique e a sua área de acção é a sociedade civil e seu empoderamento
Vídeo

Vídeo Akiules Neto - Participante Yali

Akiules Neto - Participante Yali. Veio de Angola e a sua vida são os números
Mais Vídeos