Links de Acesso

Santos responsabiliza Estados Unidos pela instabilidade em África

  • Redacção VOA

José Eduardo dos Santos, Presidente de Angola

José Eduardo dos Santos, Presidente de Angola

"Não conseguiram nem impor a paz, nem desencorajar os movimentos terroristas", apontou o Presidente angolano.

O Presidente angolano responsabilizou os Estados Unidos pela instabilidade no Médio Oriente, Ásia e África no discurso sobre o estado da Nação apresentado nesta segunda-feira, 17, na Assembleia Nacional, em Luanda.

"Utilizando a força, os Estados Unidos levaram a cabo intervenções em várias partes do mundo para impor os seus valores políticos, com resultados adversos. Acabaram assim por gerar mais instabilidade no Médio Oriente, na Ásia e em África, onde não conseguiram nem impor a paz, nem desencorajar os movimentos terroristas", disse José Eduardo dos Santos, que apontou o dedo aos dois últimos presidentes americanos George W. Bush e Barack Obama.

"Cada um com a sua especificidade e com o beneplácito dos seus aliados", acusou Santos que questionou ainda o rumo da política externa americana após a eleição do próximo Presidente.

“Qual será a reacção da Rússia e de outras potências de desenvolvimento médio? Um mundo mais seguro só pode ser arquitectado na base do diálogo e do entendimento desses dois grupos, e de uma neutralidade mais activa da parte das Nações Unidas", sublinhou.

Na sua intervenção de 30 minutos, José Eduardo dos Santos dedicou algum tempo à economia e à recuperação do país depois da guerra, tendo dito que não se podia construir sem desminar Angola.

Santos voltou a destacar os ganhos da paz e considerou que Angola está a lidar com a crise económica melhor que outros países.

Para sustentar esta afirmação, apresentou, como exemplo, a baixa progressiva dos preços dos bens essenciais, da inflação e das taxas de juros.

Democracia irreversível e eleições transparentes

“A democracia no nosso país é irreversível”, garantiu o Presidente angolano na conclusão do seu discurso sobre o estado da Nação, no qual fez um apelo para que as eleições de 2017 decorram com lisura e transparência.

"Que cada um, com o seu voto, faça livremente a escolha dos dirigentes que entendem que devem continuar a governar o país, e que não só o Estado mas também os partidos políticos, a sociedade civil, as igrejas e todos os cidadãos assumam com responsabilidade o seu papel, para que o processo seja realmente democrático, livre e decorra com normalidade e de modo exemplar", sublinhou Santos, sem dar detalhes se assumirá a Presidência caso o MPLA vença as eleições.

O Chefe de Estado angolano lembrou que alguns processos eleitorais em África estão a ser "convertidos" em "viveiros de instabilidade", seja "através da contestação directa dos seus resultados, quer através da tentativa de alteração da ordem constitucional", com "consequências imprevisíveis".

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG