Links de Acesso

Empresa retira sul-africanos de Moçambique e Nyusi pede acção presencial do Governo de Zuma

  • Redacção VOA

Filipe Nyusi

Filipe Nyusi

A empresa mineira britânica Kenmare Resources anunciou hoje, 20, ter retirado temporariamente de Moçambique os trabalhadores sul-africanos que estavam no país na sequência recentes ataques que têm sido lançados contra os moçambicanos na África do Sul.

A empresa, que justificou a decisão como uma medida de prevenção, diz esperar que ela não tenha grandes implicações na sua actividade, em virtude de apenas 62 dos cerca de 1.400 empregados serem sul-africanos.

A decisão, que se segue à da Sazol que retirou na semana passada 350 trabalhadores sul-africanos de Inhambane, foi tomada depois de um terceiro moçambicano ter sido morto ontem na África do Sul.

Entretanto, hoje, o Presidente moçambicano Filipe Nyusi endureceu o seu discurso e apelou ao Governo sul-africano a desencadear uma acção presencial e imediata contra a violência xenófoba.

Após considerar os ataques de "horríveis e chocantes", Nyusi pediu aos moçambicanos para não retaliarem e garantiu que o seu Governo vai prestar toda a assistência aos seus cidadãos vítimas da violência na África do Sul.

No sábado, o líder do MDM, terceiro maior partido parlamentar moçambicano, Daviz Simango, condenou a onda de violência xenófoba na África do Sul e lembrou que os sul-africanos precisam da energia de Moçambique.

"Os sul-africanos beneficiam-se dos recursos moçambicanos, estamos a falar de gás e de energia da nossa barragem de Cahora Bassa. Eles não podem pensar que são uma potência autossuficiente e dominam tudo. Agora, os países são interdependentes e assim deve ser. Nós condenamos esses atos xenófobos", disse Daviz Simango na Beira.

Hoje, o presidente da Federação Moçambicana de Futebol Feizal Sidat anunciou, em declarações à agência Lusa, que as selecções do seu país e da África do Sul vão realizar-se um jogo dentro de algumas semanas contra a onda de violência.

XS
SM
MD
LG