Links de Acesso

Caso dos generais deve ser julgado em Angola - defende Rafael Marques


 Rafael Marques falando a jornalistas depois de ter apresentado a quaixa-crime contra os generais angolanos, em Luanda (14 Nov 2011)

Rafael Marques falando a jornalistas depois de ter apresentado a quaixa-crime contra os generais angolanos, em Luanda (14 Nov 2011)

“É importante e é pedagógico resolver este problema a nível interno e que se faça justiça, sem necessidade de recurso a instâncias internacionais”.

Rafael Marques, o activista angolano dos Direitos Humanos, que apresentou à Justiça a queixa-crime envolvendo os generais angolanos, diz não estar surpreendido que a Procuradoria-Geral da República tenha levado por diante aquele controverso processo, que põe em causa as mais altas patentes militares do país.

Numa entrevista à VOA, Rafael Marques diz não estar surpreendido porque, se a Procuradoria não tivesse dado seguimento ao processo, “certamente, pela Constituição angolana, o caso teria seguido para as instâncias internacionais”.

Marques diz pensar “ser importante e ser pedagógico resolver este problema a nível interno e que se faça justiça, sem necessidade de recurso a instâncias internacionais”.

Rafael Marques começa a entrevista referindo o percurso deste processo até ter sido apresentado à Procuradoria-Geral da República, onde foram hoje ouvidas novas testemunhas.

XS
SM
MD
LG