Links de Acesso

Vietnamita decapitado, Mariano Nhongo reivindica ataque


Mariano Nhongo, líder da autoproclamada Junta Militar da Renamo

O líder da autoproclamada Junta Militar da Renamo, Mariano Nhongo, reivindicou nesta terça-feira, 7, o ataque armado que matou um cidadão vietnamita ontem na aldeia de Matarara, no interior da província moçambicana de Manica.

Vietnamita decapitado, Mariano Nhongo reivindica ataque
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:21 0:00

“Eu sou o comandante deles, e eles estão me ouvir (obedecer)”, disse Mariano Nhongo em relação ao ataque e apelou às empresas de exploração de recursos a pararem com os trabalhos e “a não apadrinharem o saque da riqueza”.

Cidadão vietnamita decapitado em Manica, Moçambique
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:46 0:00

“O Governo deve resolver o problema da Renamo, sem isso vai haver problema, vai agravar (ataques)”, precisou Mariano Nhongo, insistindo que os guerrilheiros agora apenas cumprem as suas ordens.

O cidadão vietnamita morreu decapitado num ataque contra um estaleiro madeireiro em Matarara, em Manica, onde também foram incendiadas nove viaturas.

O grupo de atacantes fez reféns os trabalhadores do estaleiro e, além de exigir dinheiro, tentou em vão carregar alimentos.

Polícia aponta mudança de estratégia dos atacantes

O ataque ocorreu a cerca de 10 quilómetros da N1, a principal estrada que liga o sul e o norte de Moçambique.

Entretanto, a Polícia da Republica de Moçambique (PRM), que confirmou o ataque, reconheceu que os autores mudaram de estratégia ao optar por entrar uma aldeia, ao invés das habituais incursões nas principais estradas, onde está concentrada a força da ordem.

“O inimigo tem suas estratégias e nós temos as nossas estratégias para garantir a ordem e tranquilidade publicas”, afirmou Mário Arnança, porta-voz da PRM.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG