Links de Acesso

UNITA e MPLA de costas voltadas sobre autarquias


Adalberto Costa Junior

Ministro Adão de Almeida promete ouvir as propostas da UNITA

A UNITA descarta consensos com o Governo do MPLA quanto a temas da actualidade política angolana, particularmente em relação ao que considera ser um “criminoso gradualismo geográfico’’ nas autarquias, e reafirma que o modelo de repatriamento de capitais proposto pelas autoridades ignora o dinheiro escondido no país.

Em Benguela, nesta quarta-feira, 25, no seguimento de uma visita de trabalho, o líder da Bancada Parlamentar do “galo negro’’, Adalberto Costa Júnior, afirmou que a sociedade civil deve pressionar para contrapor perigos à solta em Angola.

UNITA e MPLA de costas voltadas sobre autarquias - 2:09
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:08 0:00

Agarrado à abertura democrática anunciada pelo Presidente João Lourenço, o ministro da Administração do território e Reforma do Estado, Adão de Almeida, em resposta a uma questão colocada pela VOA, assegura que as propostas da UNITA para as autarquias não vão ser engavetadas.

“Vamos ter depois a fase do debate parlamentar. Como sabemos, ao nível do procedimento legislativo parlamentar podem existir outras propostas e, neste quadro, podemos encontrar alguns consensos’’, explica o governante.

Adalberto Costa Júnior, um dos vários deputados que visitam 17 províncias do país, espera para ver, mas tem já uma certeza.

“Não vão ser criados consensos à volta deste gradualismo do MPLA, é um sinal de pobreza, mais diferenças entre os angolanos e a falta de cidadania para os municípios que ficarem retardados nesta questão. Fazer em 35 ou 40 municípios é um crime, isto deve ser dito’’, refere o deputado.

Descartada a hipótese de auditoria à dívida pública angolana, também mencionada pelo líder parlamentar, o repatriamento de capitais é outro tema a marcar a actualidade.

Costa Júnior, que lembra o Regime Extraordinário de Regulação Patrimonial do seu partido, sugere a atenção à sociedade civil na análise do projecto do Executivo, que diz ser tão imoral quanto perigoso.

“Devemos aproveitar a oportunidade e atingir vários objectivos, como trazer dinheiro para o país, regularizar o dinheiro escondido cá em Angola, onde muitas pessoas têm medo de assumir que o têm. Dizer que se faz o repatriamento só em relação aos dinheiros … às vezes já não esta no banco, fica sem alcance. Portanto, tudo aquilo que foi alvo de desvios públicos deve regressar, em forma de dinheiro ou de património’’, argumenta Júnior.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG