Links de Acesso

UNITA e CASA-CE "arrastam" o MPLA para verdadeira reforma


Conferência nacional sobre paz, eleições e democracia

‘’Camaradas’’ faltaram a debate sobre democracia que decorre hoje e amanhã em Luanda

A UNITA espera que os sinais de reforma em Angola, mais do que exonerações e nomeações, ajudem a proporcionar investimentos que não beneficiem apenas 10 por cento dos angolanos e defende modelos sustentáveis e geradores de empregos.

MPLA ausente de conferência sobre paz e democracia - 2:13
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:13 0:00

A ideia do partido de Isaías Samakuva foi manifestada nesta terça-feira, 28, em Luanda, numa conferência nacional sobre ‘’Eleições, Paz e Democracia’’, na qual a CASA-CE anunciou uma estratégia para a fiscalização dos actos do Governo.

A deputada do principal partido da oposição Arlete Leona Chimbinda, que falava sobre os desafios dos partidos políticos e coligações de partidos na presente legislatura, disse que a preparação do Orçamento Geral do Estado para 2018 vai colocar à prova o executivo de João Manuel Gonçalves Lourenço.

“Sobretudo em relação ao género dos investimentos, é preciso que se criem empregos, é bom que olhe já para o Orçamento Geral do Estado para 2018, os empresários devem sim fazer negócios, mas devem estar comprometidos com o desenvolvimento do país’’, salientou Chimbinda.

Pouco depois, a falar sobre o mesmo tema, o deputado Lindo Bernardo Tito, anunciou que a fiscalização dos actos do Governo é uma das cinco estratégias da CASA-CE, que considera inconstitucional o decreto que proíbe tal medida

“Seremos o polícia de quem está a governar, é uma imposição do actual ciclo político. Seremos os fiscalizadores permanentes’’, promete Tito.

O debate foi marcado pela ausência do MPLA, convidado pelas cinco organizações da sociedade civil que promovem a conferência, até amanhã, na sede da União dos Escritores Angolanos.

O antigo deputado general Abílio Kamalata Numa, considera essa ausência como “fraquezas em termos de funcionamento democrático, os partidos maduros devem conversar com todos.

Na quarta-feira, 29, a conferência debruça-se sobre nova agenda para as autarquias em Angola.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG