Links de Acesso

Últimas sanções dos EUA são um acto de guerra, diz a Coreia do Norte


Navio Yu Jong 2, registado na Coreia do Norte.

E realça que tem armas nucleares para responder às ameaças de Washington.

A Coreia do Norte diz que as últimas sanções impostas pelos Estados Unidos são um “acto de guerra”.

Num comunicado divulgado pela agência estatal de notícias, KCNA, a Coreia do Norte acusa os Estados Unidos de elevar a tensão na península coreana e e realça que tem armas nucleares para responder às ameaças de Washington.

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou, na sexta-feira, um conjunto de sanções contra a Coreia do Norte e ameaçou com a "fase dois" se as medidas não forem efectivas.

Trump disse que as sanções são as "maiores de sempre".

As sanções visam um individuo, 27 empresas e 28 navios registados na China e em outros sete países com a intenção de eliminar o transporte e o comércio ilícitos da Coréia do Norte. As sanções bloqueiam os activos detidos pelas empresas nos EUA e proíbem os cidadãos americanos de interagir com as mesmas.

Desde agosto do ano passado, os EUA ajudaram a supervisionar três sanções do Conselho de Segurança das Nações Unidas contra a Coréia do Norte. A pressão não impediu Pyongyang de realizar mais testes nucleares e de mísseis.

A eficácia das novas sanções depende da possibilidade de serem implementadas com sucesso, e os EUA têm uma influência limitada sobre muitas das companhias de navegação que ajudam a Coréia do Norte a evadir as sanções, adverte Gary Samore, ex-coordenador da Casa Branca para Controlo de Armas e Armas de Destruição em Massa.

"Muitas das empresas que trabalham com a Coréia do Norte são muito pequenas", disse Samore. Ele acrescentou que são empresas que não se importam em não trabalhar com os Estados Unidos.

A China respondeu com fúria, no sábado, às novas sanções, reafirmando que são contraproducentes para os esforços para interromper os programas de desenvolvimento de mísseis nucleares e de longo alcance de Pyongyang.

O Ministério das Relações Exteriores da China emitiu um comunicado dizendo que Pequim "opõe-se firmemente" aos EUA por "promulgar sanções unilaterais" e prometeu "tratar seriamente" a questão de acordo com a lei.

O ministério também exigiu que os EUA levantem imediatamente as sanções "para evitar prejudicar a cooperação bilateral na área relevante".

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG