Links de Acesso

Uíge: Governo recusa assinar certificados de escola católica


Disciplinas de transparência e e educação moral entre as cadeiras que Governo diz violar acordo com a Igreja

As autoridades províncias do Uíge recusam-se a reconhecer as habilitações de alunos de uma escola católica devido a um conflito sobre as disciplinas minsitradas nesse estabelecimento escolar.

please wait

No media source currently available

0:00 0:02:41 0:00
Faça o Download

As disciplinas em causa, ministradas na Escola do IIº ciclo do ensino secundário São Francisco de Assis no Município de Negage, são Transparência e Boa Governação, Metodologias de trabalhos Científicos, Métodos de Estudos, Educação Moral e Cívica.

A Direção Provincial de Educação diz que a introdução dessas disciplinas viola um acordo existente entre a Igreja e o Governo.

O director da referida escola, Frei Firmino Caculo disse à VOA que a Direcção Provincial da Educação recusou no último fim de ano assinar os certificados de habilitações dos alunos que terminaram o ensino médio naquela instituição por constarem no curriculum cadeiras tidas como excluídas à luz do acordo entre as partes.

Caculo disse que a escola administra essas cadeiras há três anos.

O Frei Firmino presumiu existirem outras razões que estariam por detrás da medida do Governo, como, por exemplo, as matérias ministradas na disciplina de Transparência e Boa Governação.

Contudo o disse que o que mais o “surpreendeu é o facto de negarem até a moral e isso fica complicado como igreja” .

Para o director provincial da Educação, Ciências e Tecnologias do Uíge Manuel Zangala os motivos que estiveram na base de não autenticarem os diplomas dos estudantes nesta condição estão apenas relacionados com o que diz ser a violação do acordo entre a Igreja e o Governo

“As (escolas) católicas funcionam na base do protocolo rubricado entre o Ministério da Educação e da Administração do Território com a Conferência Episcopal de Angola e S. Tome (CEAST)”, disse.

“O documento está claro e o que existe aqui é a má interpretação do mesmo por parte da escola do IIº ciclo do ensino secundário São Francisco de Assis no Município de Negaje”, acrescentou.

Manuel Zanga acusou a direção da escola São Francisco de Negaje de ter violado o protocolo existente rubricado entre ambas as partes ao insistir programar cadeiras no currículo da escola que não estão previstos no acordado.

A sua Opinião

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG