Links de Acesso

Ucrânia, China e comércio devem dominar a agenda da cimeia EUA-ASEAN


Presidente americano Joe Biden participa na cimeira virtual da ASEAN num auditório da Casa Branca em Washington, 26 Out., 2021. Biden vai ser o anfitrião da cimeira em pessoalmente com líderes do Sudeste Asiático na Casa Branca Maio 12-13.

As relações comerciais, a segurança regional e a invasão russa da Ucrânia estarão no topo da agenda quando o Presidente dos EUA, Joe Biden, receber os líderes dos países membros da Associação das Nações do Sudeste Asiático, ou ASEAN, numa conferência de 12 a 13 de Maio.

Oito em cada 10 líderes da ASEAN participarão da Cimeria Especial EUA-ASEAN. Faltarão o Presidente filipino, Rodrigo Duterte, que deve deixar o cargo em Junho, e o líder da junta de Myanmar, Min Aung Hlaing, que a ASEAN excluiu numa rara repreensão. O chefe militar liderou um golpe contra o governo civil eleito do Myanmar em Fevereiro de 2021.

A Casa Branca não divulgou muitos detalhes sobre a cimeira, excepto para dizer que demonstrará o "compromisso duradouro" dos Estados Unidos com a ASEAN.

Comércio e segurança no topo da agenda da Cimeira da ASEAN na próxima semana
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:48 0:00

Embora a cimeira não deva render muita substância, observadores dizem que o simbolismo de Biden levar dois dias para receber esses líderes enquanto a guerra continua na Ucrânia reafirmará que o Indo-Pacífico ainda é a prioridade de Washington. Biden fará uma viagem a Seul e Tóquio para um Quad Summit no final deste mês.

Algumas questões importantes a serem observadas na cimeira:

Ucrânia

Biden provavelmente pressionará a questão da Ucrânia em busca de uma coligação contra Moscovo que se estenda além da Europa.

As opiniões regionais sobre a guerra são mistas, no entanto. Myanmar, por exemplo, apoia abertamente a Rússia, enquanto Singapura foi o único país da ASEAN a aplicar sanções a Moscovo. E com muitos membros atingidos pelos aumentos induzidos pela guerra no custo do petróleo, gás, grãos e fertilizantes, a ASEAN fará apelos por uma solução diplomática para o conflito.

Impacto Económico da invasão russa na Ucrânia
please wait

No media source currently available

0:00 0:03:15 0:00

Uma área-chave a ser observada é se Washington pressionará os líderes da ASEAN a reduzir as compras de armas de Moscovo ou ameaçá-los com sanções secundárias ao petróleo russo.

Sanções secundárias, como as impostas ao Irão em 2018, pressionam países importadores terceirizados a reduzir as suas compras ou correm o risco de serem cortados do sistema financeiro americano.

Relações comerciais

A cúpula apresenta uma oportunidade para discutir o aprofundamento das relações comerciais, uma parte fundamental do que a ASEAN deseja como parte da parceria estratégica abrangente (CSP), uma estrutura negociada desde Outubro. A ASEAN já tem um CSP com a China e a Austrália.

Observadores dizem que os EUA carecem de uma estratégia económica e comercial robusta para combater a crescente influência da China na região. O governo declarou que não assinará nenhum novo acordo de livre comércio; com os sentimentos proteccionistas da era Trump ainda em alta, abrir o acesso ao mercado americano é visto como politicamente perigoso internamente.

Enquanto isso, a região tem muitas opções de livre comércio para escolher. A ASEAN está a negociar um acordo de livre comércio com o Canadá e alguns dos seus membros aderiram ao Acordo Abrangente e Progressivo para a Parceria Trans-Pacífico (CPTPP) e a Parceria Económica Regional Abrangente (RCEP).

Washington não faz parte do RCEP, o maior acordo de livre comércio do mundo que inclui a China. Pequim solicitou adesão ao CPTPP, um acordo de livre comércio nascido da Parceria Trans-Pacífico que Obama pressionou, mas Trump desistiu.

Para sinalizar o seu interesse em reconstruir as relações comerciais na região, o governo americano está a desenvolver o seu Quadro Económico Indo-Pacífico (IPEF), que incluirá diferentes módulos que abrangem "comércio justo e resiliente, resiliência da cadeia de suprimentos, infraestrutura e descarbonização, impostos e anti-corrupção". Os países podem escolher os módulos em que estão interessados.

Ameaça da China

Em meio a ameaças de segurança representadas pela China, os países da ASEAN vão querer garantias de que o apoio militar dos EUA à NATO e à Ucrânia não virá à custa de um compromisso reduzido com o Indo-Pacífico.

Os EUA provavelmente condenarão o comportamento chinês, particularmente a militarização das ilhas no Mar da China Meridional. No entanto, as opiniões divergentes da ASEAN sobre a China representam um desafio.

Recuperação da pandemia

A Indonésia, como anfitriã da cimeira do Grupo dos 20 em Novembro e co-anfitriã da segunda cimeira virtual global COVID-19 na próxima semana, deve pressionar por uma agenda global de recuperação pandémica mais robusta e igualitária que inclua acesso a vacinas, testes e tratamento.

Até agora, os EUA doaram 190 milhões de doses de vacina para países da ASEAN e outros na região do Leste Asiático e Pacífico.

A cimeira também deve aproveitar os investimentos anteriores para combater a pandemia, incluindo os 40 milhões de dólares anunciados em Outubro para acelerar a pesquisa conjunta e fortalecer a capacidade do sistema de saúde por meio do US-ASEAN Health Futures – uma iniciativa lançada sob o governo Trump. Outro investimento importante é o escritório regional do Sudeste Asiático dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças dos EUA, inaugurado em Hanói, Vietname, em Agosto.

No entanto, como o pedido do governo para financiamento global de resposta à pandemia está parado no Congresso, os EUA podem não ser capazes de oferecer o que a região precisa: dinheiro para transformar vacinas em frascos em injeções.

Direitos humanos

Esta será a primeira vez que o primeiro-ministro do Camboja, Hun Sen, presidente da ASEAN deste ano, pisará na Casa Branca desde que assumiu o poder em 1985. Activistas temem que Biden esteja a dar legitimidade internacional ao ex-comandante do Khmer Vermelho, cujo governo foi marcado pela corrupção, repressão e violência.

O Myanmar, liderado por uma junta golpista, é outro problema. Embora o líder da junta, Min Aung Hlaing, tenha concordado em seguir as exigências da ASEAN de enviar apenas representantes não políticos à cimeira, ele ignorou amplamente o consenso de cinco pontos da ASEAN para interromper a violência e dialogar após a agitação mortal pós-golpe.

No mês passado, o secretário de Estado dos EUA,Antony Blinken advertiu os militares do Myanmar pelos crimes contra os muçulmanos Rohingya. Observadores dizem que o governo pedirá medidas mais duras contra o Myanmar, mas isso provavelmente não chegará a lugar algum com os membros da ASEAN.

Mudanças climáticas

Observadores dizem que há oportunidades inexploradas que podem combinar as metas de mudança climática global do governo com as demandas de infraestrutura da região. Várias iniciativas devem ser expandidas, incluindo o US-ASEAN Climate Futures, um programa para ajudar o mundo a limitar o aquecimento global a 1,5 graus Celsius.

Os líderes da ASEAN devem reunir-se com líderes do Congresso dos EUA e participar de um jantar na Casa Branca na quinta-feira. Biden e os líderes da ASEAN participarão de discussões da cimeira no Departamento de Estado no dia seguinte.

Esta será a segunda cimeira especial com líderes da ASEAN realizada nos EUA desde a reunião do então Presidente Barack Obama na propriedade de Sunnylands, na Califórnia. Muitos saudaram a cimeira de 2016 como o início de uma nova era no relacionamento de Washington com uma das regiões mais dinâmicas do mundo, dada a diversidade política, cultural e económica de seus 10 estados membros.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG