Links de Acesso

Trabalhadores da TPA e RNA têm salários miseráveis, denuncia presidente do sindicato


Teixeira Candido espera mudança das administrações para evitar uma greve

Os jornalistas da rádio e televisão públicas de Angola, TPA e RNA, vão mais uma vez remeter uma carta à direcção daqueles órgãos para mostrarem a sua insatisfação frente às respostas dos administradores, antes de decidirem se avançam ou não para uma greve que pode ser histórica no país.

Sindicato respondeu a propostas da radio e televisão - 2:20
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:20 0:00

Para o Sindicato de Jornalistas Angolanos (SJA), o impasse está no ajuste salarial e a aplicação de um qualificador ocupacional, ou seja um sistema que define os sistemas salariais.

As respostas das direcções da TPA e RNA foram dadas nos prazos legais, mas não satisfizeram as exigências.

Para Teixeira Cândido, presidente do SJA, as direcções da TPA e da RNA terão de rever estes dois elementos para não forçar uma greve naqueles órgãos.

“A questão salarial e o qualificador ocupacional são as nossas duas maiores preocupações”, explicou Cândido que prometeu entregar na quarta-feira, 6, uma carta às direcções daquelas empresas como réplica.

O sindicalista afirma ser inacreditável o estado de mendicidade a que são submetidos os jornalistas angolanos deste órgãos.

“São inacreditáveis os salários que se pagam aos jornalistas destes órgãos”, concluiu.

Recorde-se que entre as reivindicações está a definição de um salário mínimo para a classe jornalística de 180 mil kwanzas (cerca de 500 dólares), a criação de melhores condições de trabalho, definição de critérios para a atribuição de salários e a transparência nas receitas publicitárias.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG