Links de Acesso

Sonangol acusada de negar acatar decisão judicial


Sede da Sonangol

Viúva de funcionário que morreu na empresa reclama pagamentos

A viúva do antigo trabalhador da Sonangol, António Brito, encontrado morto na sede da companhia petrolífera em 2012, acusa a Sonangol de não acatar a decisão do Tribunal Provincial de Luanda que obriga a petrolífera a devolver os 25 mil dólares que o malogrado pagou na coperativa Cajueiro para ter acesso a uma residência no condomínio da Sonangol.

O Tribunal Provincial de Luanda decidiu que a Sonangol deve devolver os 25 mil dólares à familia de Brito.

Sonangol acusada de negar acatar decisão judicial - 2:00
please wait

No media source currently available

0:00 0:01:41 0:00

Ela afirmou que desde 2016, a empresa alega não haver um fundo de pensão para os trabalhadores da Sonangol.“Até agora não deram nada, nem o fundo de pensão, alegando que a empresa não tem um fundo de pensão”, denunciou Calei.

“Esta resposta é antiga, desde 2016 que nos dizem que a empresa não tem fundo de pensão”, lamentou Carolina Calei, que também não recebeu da companhia de seguros, Assegurador AAA, a indemnização por completo.

A VOA contactou Mateus Cristóvão Benza, director de Comunicação e Imagem da Sonangol, mas não obteve qualquer resposta.


Falta de quadros compromete inquérito à gestão da Sonangol, diz o PGR

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG