Links de Acesso

Relatório da ONU descobre que aliado de Trump violou embargo de armas à Líbia


Erik Prince fundador da Blackwater (Larry Downing / Reuters)

Prince enviou uma força de mercenários estrangeiros e armas para o homem forte Khalifa Haftar

Erik Prince, o dono de uma empresa de segurança privada e aliado do ex-Presidente dos EUA, Donald Trump, violou o embargo de armas das Nações Unidas à Líbia, segundo uma investigação que os media americanos encontraram num relatório detalhado, na sexta-feira.

O relatório confidencial para o Conselho de Segurança, obtido pelo New York Times e pelo Washington Post, disse que Prince enviou uma força de mercenários estrangeiros e armas para o homem forte Khalifa Haftar, que lutou para derrubar o governo líbio apoiado pela ONU, em 2019.

A operação de 80 milhões de dólares incluiu planos para formar um esquadrão de ataque para rastrear e matar comandantes líbios que se opõem a Haftar - incluindo alguns que também eram cidadãos da União Europeia, disse o New York Times.

Prince, um ex-Navy SEAL e irmão da secretária de Educação de Trump, Betsy DeVos, atraiu a infâmia como chefe da empresa de segurança privada Blackwater, cujos contratados foram acusados de matar civis iraquianos desarmados em Bagdad em 2007.

Quatro dos condenados foram perdoados por Trump no ano passado.

A acusação expõe Prince a possíveis sanções da ONU, incluindo a proibição de viagens, disse o Times.

Prince não cooperou com o inquérito da ONU e o seu advogado recusou-se a comentar acrescentou o New York Times.

A AFP pediu ao Frontier Services Group com sede em Hong Kong, do qual Prince é membro do conselho e vice-presidente, para comentar mas teve resposta.

A Líbia, rica em petróleo, foi dilacerada pela guerra civil desde que um levante apoiado pela NATO levou ao derrube e morte do ditador Muammar Kadhafi em 2011.

O país foi dividido nos últimos anos entre um Governo de Acordo Nacional (GNA) em Trípoli e uma administração baseada no leste, apoiada por Haftar, que enfrentou acusações de crimes de guerra.

O então Presidente Trump em 2019 elogiou o homem forte por seu papel na "luta contra o terrorismo" na Líbia.

Um novo executivo interino para o país foi escolhido em 5 de Fevereiro pelo Fórum de Diálogo Político da Líbia na Suíça, compreendendo 75 participantes seleccionados pela ONU para representar uma ampla secção transversal da sociedade.

Haftar prometeu seu apoio à iniciativa.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG