Links de Acesso

Refugiadas congolesas amparadas em Angola


Refugiadas da RDC em Angola.

Em Lovua, na Lunda Norte, o Fundo das Nações Unidas para a População cria espaços para a protecção da mulher e rapariga refugiada da RDC.

Antone, tem 50 anos. Fugiu,em Abril de 2017, da sua aldeia em Kasai, na República Democrática do Congo (RDC).

“Eles tinham armas, facas grandes e começaram a matar as pessoas. Naquele ambiente não era possível localizar os teus próprios filhos.”

Antone foi atingida por uma bala e fingiu estar morta. Os homens armados mataram dois dos seus filhos, a irmã dela mais nova e seus quatro filhos.

Ela foi socorrida e hoje faz parte de um grupo de 35 mil refugiados da RDC na Lunda, Angola.

A Organização das Nações Unidas ajuda as autoridades angolanas a lidar com a emergência com um olhar em questões imediatas como a alimentação e saúde.

Mas a emergência tem outras questões importantes: A protecção da mulher, garantia do exercício dos direitos sexuais e reprodutivos nesses ambientes que podem ser violentos.

Em Lovua, na Lunda Norte, o Fundo das Nações Unidas para a População cria espaços para a protecção da mulher e rapariga refugiada da RDC.

Neste “Agenda Africaca”, Florbela Fernandes, representante daquela agência em Angola, explica o que é feito para proteger as mulheres, que muitas vezes chegam traumatizadas.

Acompanhe:

Refugiadas congolesas amparadas em Angola
please wait

No media source currently available

0:00 0:13:45 0:00

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG