Links de Acesso

Ramos-Horta defende respeito do Acordo de Conacri


José Ramos-Horta pede acordo entre as partes

Prémio Nobel da Paz e antigo representante da ONU em Bissau diz que saída da crise passa pelo diálogo

O Prémio Nobel de Paz e antigo Presidente do Timor, Ramos-Horta, apelou a entendimento entre os principais actores políticos guineenses.

Ao falar nesta quinta-feira, 9, à margem do Simpósio Internacional sobre Reconciliação, a decorrer aqui em Bissau, defendeu um consenso entre as partes em conflito.

Ramos-Horta defende respeito do Acordo de Conacri
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:30 0:00

“Acredito que tem que ser com base no Acordo de Conacri, desde que haja consenso, pois, os acordos não são uma bíblia e não são inalteráveis. É preciso que peguem o acordo e vejam onde é que podem haver recuos, arranjos e aditamentos, e assim avançar até as próximas eleições”, defendeu o antigoPresidente timorense

Ramos-Horta, que há três anos deixou o país no termo da sua missão como representante das Nações Unidas em Bissau, recomenda, os actores políticos a uma maior cooperação, sobretudo, entre os principais órgãos da soberania.

Na sua exposição “Os desafios da reconciliação nacional”, o antigo Presidente de Timor-Leste conclui que a fragilidade das instituições do Estado representa um dos problemas mais sérios que os guineenses enfrentam.

“É preciso maior serenidade e paciência e é preciso também o sentido do Estado, por parte de todos, para ultrapassarem este impasse, porque também só faltam dois anos para as próximas eleições. Acredito que mais algum esforço, para frente, é possível selar um acordo que permita o Governo fazer passar o seu programa e orçamento”, concluiu Ramos-Horta

Informações disponíveis apontam, por outro lado, que a CEDEAO pretende enviar a Bissau, uma missão diplomática visando obrigar as partes a cumprir Acordo de Conacri, como instrumento para o envolvimento de tidas as partes.

A sua Opinião

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG