Links de Acesso

Radar Magrebe Lusófono #12: Angola, os 100 dias que passaram e os 100 dias que virão


Presidente de Angola João Lourenço

A percepção relativamente a Angola é a de que o novo Presidente vai primeiro arrumar a casa, para depois se concentrar na inagem e no envolvimento do pais a nivel externo. (Artigo do Politólogo Raúl M. Braga Pires)

A percepção nas diversas chancelarias Mundo afora, relativamente a Angola, é a de que o novo Presidente está primeiro a arrumar a casa, para depois se concentrar no Política Externa. Aliás, a recente e inédita conferência de imprensa dada por este, poderá muito bem marcar a fronteira entre as prioridades do momento e as futuras.

Quanto à Política Externa, Angola, tradicionalmente não costuma fazer muito alarido, nem ter mudanças radicais, segundo o Africanista e Investigador luso-angolano Eugénio Costa Almeida (CEI-ISCTE).

A mudança de Presidente é o momento ideal para proceder a mudanças, mas para este especialista, uma das prioridades externas angolanas continuará a ser a República Democrática do Congo (RDC) e o interesse em manter a estabilidade deste aliado que tem agora em Joseph Kabila um imbróglio constitucional, já que o 2º Mandato Presidencial expirou em Dezembro de 2016 e Kabila não pode concorrer a um 3º Mandato.

Angola, enquadrada nesta que parece ser uma nova Era para África, onde as eleições e a alternância democrática se impõem à Cultura do Soba, a bem da estabilidade dos Grandes Lagos, pretende ser um Fiel da Balança que prove saber agir e mediar este processo dentro da constitucionalidade.

Angola tem ambições regionais com alcance continental e nesse sentido, sempre projectei uma mudança de fundo que envolvesse uma aproximação a Marrocos, como se constatou com o apoio dado à reintegração do Reino na União Africana (UA). Essa aproximação teria como culminar no longo prazo, um natural “desreconhecimento” da RASD/POLISARIO por parte de Angola, descartando o Eixo Argel/Abuja/Pretória e integrando um novo Rabat/Dakar/Luanda.

Eugénio Costa Almeida refreia-me os ânimos e diz que será muito difícil de algo parecido acontecer, já que Angola é a “porta de salvaguarda e de acesso pelas traseiras” da SADC, a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (Angola, África do Sul, Botswana, República Democrática do Congo, Lesoto, Madagascar, Malawi, Maurícia, Moçambique, Namíbia, Seychelles, Suazilândia, Tanzânia, Zâmbia, Zimbabwe), já que a estes países não interessa uma África do Sul hegemónica.

“Essa força de Angola – se assim se pode dizer – como a tal porta de salvaguarda, começou a ter mais importância quando estes países da SADC verificaram que as intervenções sul-africanas nas questões africanas, principalmente com Thabo Mbeki, na questão dos Grandes Lagos, eram, ou visavam, mais a salvaguarda e a defesa dos seus interesses de imagem política para o exterior, que resolver os problemas africanos. E foi aí que Angola assumiu, ainda mais a sua força potencial – ou se tornou na efectiva potência – da CEEAC”, conclui Costa Almeida. Esta Comunidade Económica dos Estados da África Central (CEEAC), um segundo enquadramento institucional para os angolanos, os quais definem bem as suas prioridades em Política Externa continental e os constrange, de certa forma. SADC e CEEAC serão os palcos privilegiados e uma deriva deste foco apenas prejudicaria uma posição firmada de Luanda à República Centro Africana.

Na verdade e em rigor, há um maior interesse de Marrocos em Angola, que o contrário. A banca e as empresas marroquinas estão interessadas na potencialidade deste mercado, no petróleo e, sobretudo em ganharem posições de força, créditos, para poderem influenciar, a montante, decisões de Política Externa angolana, sobretudo nos dossiês RASD/POLISARIO e Argélia e que se deverão depois reflectir no seio da União Africana.

Tunísia regressa aos protestos, 7 anos depois

7 anos e 9 Governos depois, a Tunísia voltou à rua, o que deverá ser considerado normal, para quem sempre viu a "Primavera Árabe" como um processo.

Prova disso, é este protesto contra a Lei de Finanças de 2018 unir os manifestantes, a população e, já não os dividir entre laicos e islamistas. Ou seja, essa fase já passou e as manifestações têm um aparente voluntarismo por parte da população, que a partir das 20h dos últimos dias desta semana, se têm concentrado nas principais praças do país, onde protestam contra o custo de vida dizendo, 7 anos depois continuamos com fome! A inflação subiu até aos 6,4% em Dezembro, batendo todos os recordes, houve alterações nas tarifas aduaneiras o que encareceu os produtos importados e também foi criado um imposto Municipal para habitações, que poderemos comparar ao famoso IMI em Portugal.

Há também que pagar empréstimos e juros no estrangeiro.

Estas manifestações, que à semelhança do 17 de Dezembro de 2010, início da Primavera Árabe, iniciaram-se no Sul do país e têm-se alastrado território acima, têm tido picos de violência entre manifestantes e Polícia, com centenas de detidos, múltiplos feridos entre manifestantes e Polícia, pelo menos um morto e pilhagens atrás de pilhagens, o que coloca a dúvida sobre quem estará nos bastidores a comandar os acontecimentos e, desta vez, não deverá haver mão islamista a puxar as cordas.

Digo isto porque o Ennahda, o Partido Islamista local e seu líder, Rachid Ghannouchi teriam muito mais a perder que a ganhar, já que foram até aqui a razão para a estabilização da Tunísia, no pós-eleições, já que entre 2011 a 2014 perderam a hegemonia, aceitaram-na (caso inédito), fazendo aliás parte da “Geringonça” que governa o país desde 2014. Promover a pilhagem nocturna, seria um regresso aos fantasmas de 2011 e um perder da credibilidade de alguém, Ghannouchi e seu Partido, que ambicionam uma Tunísia de modelo Turco, rejeitando ao mesmo tempo o modelo extremista afegão e saudita.

É mais possível aliás, tratarem-se de filhos e netos de militares e/ou polícias do antigo regime a aproveitarem esta onda contestatária para a tornarem na clássica espiral de violência do quanto pior melhor, já que nada têm a perder, do que o déjà vue islamista que torna resultados eleitorais e manifestações democráticas em arma de arremesso, subvertendo assim o processo e tomando a dianteira deste.

http://www.bragapiresraul.pt

Politólogo/Arabista/Colaborador VOA/Radar Magrebe

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG