Links de Acesso

Polícia impede marcha da FNLA para lembrar a repressão da Baixa de Malanje


Marcha da FNLA em Malanje, 4 de Janeiro, 2016, Angola

Polícia alegou falta de autorização, mas não deteve ninguém.

A Polícia Nacional de Angola proibiu uma marcha automóvel organizada por militantes daFrente Nacional de Libertação de Angola (FNLA) nesta quarta-feira, 4, que pretendia assinalar o Dia dos Mártires.

A caravana de cerca de 500 manifestantes trajados com camisolas e material de propaganda do partido e que visava comemorar os 56 anos da repressão colonial na Baixa de Cassanje foi interceptada por efectivos da polícia nas imediações do Hospital Regional de Malanje.

Polícia impede marcha da FNLA para lembrar a repressão da Baixa de Malanje - 2:34
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:26 0:00

Os agentes dirigiram o regresso dos manifestantes à sede do FNLA que, mais tarde, voltaram a ver a sua intenção impedida.

Ninguém foi detido.

O porta-voz da FNLA, Joveth de Sousa, e o representante da organização em Malanje foram convidados a prestar esclarecimentos no Comando Municipal da Polícia Nacional sobre a manifestação interrompida, alegadamente por falta de autorização.

Antes do inicio da marcha, Joveth de Sousa, apresentou à imprensa local uma mensagem do líder do partido, Lucas Benghy Ngonda, que descreveu a dimensão histórica dos acontecimentos da Baixa de Cassanje.

“Ultrapassou de longe o que foi o 4 de Fevereiro que se seguiu”, referiu, justificando que “como patriotas que somos não temos o direito de subestimar o grande sacrifício consentido nos dias difíceis na luta para a libertação de Angola”.

“Nós, FNLA, tendo sido os protagonistas da luta para a independência de Angola custa-nos acreditar que a dimensão desta tenha sido subestimada pelos poderes constituídos depois da independência de Angola”, concluiu a nota do presidente daquele partido histórico.

Refira-se que o acto central nacional de reflexão sobre os massacres dos camponeses da Baixa de Cassanje aconteceu no município do Quela, a 115 quilómetros a nordeste de Malanje, com a presença do ministro dos Antigos Combatentes e Veteranos da Pátria, Cândido Van-Dúnem.

A secretária-geral da Associação Nacional Baixa de Cassanje, Telma Pitra Grós, pediu que filhos e sobreviventes daquela acção desumana vejam resolvida parte das dificuldades que enfrentam na região.

Os camponeses querem ver aumentada a produção agrícola, construídas residências sociais e edificado o monumento em homenagem às vítimas no Teka-Dia-Kinda, município do Quela.

“Que o nosso Governo a nível nacional, a nível da província possa ajudar para que haja mais dinamismo e mais brevidade, nós contamos também com o apoio do Governo da província em relação à construção do marco histórico”, pediu Pitra Grós.

Aquela associação tem mais de 12 mil filiados em todo o país.

A sua Opinião

Mostrar Comentários

XS
SM
MD
LG