Links de Acesso

Polícia russa detém jornalistas que apoiam a liberdade da media


A polícia detém um jornalista com o cartaz "Jornalismo Livre", durante piquetes individuais em Moscovo, Rússia, 21 de Agosto de 2021

A polícia russa prendeu no sábado, 21 de Agosto, vários jornalistas que protestavam contra a decisão das autoridades de rotular um importante canal de TV independente como "agente estrangeiro".

Os jornalistas fizeram piquetes individuais fora da sede da principal agência de segurança doméstica do país, a FSB, na Praça Lubyanka de Moscovo.

Eles seguravam cartazes com slogans como "Jornalismo não é crime" e "Você tem medo da verdade", para protestar contra a decisão do Ministério da Justiça de adicionar o canal de TV Dozhd e o canal investigativo online Vazhnye Istorii (histórias importantes) à lista de "agentes estrangeiros".

Os detidos foram intimados a comparecer às audiências judiciais sob a acusação de violar as regras de realização de piquetes, um crime administrativo que acarreta uma multa de até 270 dólares americanos.

"Eu sou contra rotular o canal de TV Dozhd como um 'agente estrangeiro'", disse Farida Rustamova, jornalista de Dozhd que fez piquete no sábado. “Quero trabalhar e viver livremente na Rússia. Quero ter a oportunidade de ser uma jornalista livre. Não quero que meus colegas sejam presos, revistados e rotulados como 'inimigos do povo' ou 'agentes'. "

Yulia Krasnikova, jornalista do Vazhnye Istorii, denunciou a acção das autoridades como inconstitucional.

"O facto de não querermos escrever histórias que outros meios de comunicação pró-governo fazem não significa que violamos algo e que somos alguns 'agentes estrangeiros'", disse Krasnikova. "Estou aqui para protestar e apoiar os meus colegas."

O Ministério da Justiça agiu de acordo com uma lei que é usada para designar como "agentes estrangeiros" organizações não governamentais e indivíduos que recebem financiamento do exterior e se envolvem em actividades vagamente descritas como políticas. O rótulo implica um escrutínio governamental mais próximo e carrega uma forte conotação pejorativa que pode minar a credibilidade dos meios de comunicação e prejudicar as suas perspectivas de publicidade.

Dozhd denunciou a acção como injusta e disse que apelaria.

O canal de TV tem criticado duramente a repressão das autoridades russas aos dissidentes e regularmente veicula reportagens ao vivo sobre os protestos da oposição. Cobriu extensivamente o envenenamento e a prisão do líder da oposição russa Alexei Navalny, o crítico mais renomado do Presidente Vladimir Putin, e os processos criminais iniciados contra os aliados de Navalny.

As autoridades russas aumentaram a pressão sobre a oposição e a media independente antes da votação parlamentar de 19 de Setembro, que é amplamente vista como parte importante dos esforços de Putin para consolidar seu governo antes da eleição presidencial de 2024 na Rússia.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG