Links de Acesso

Pessoas com deficiência caminham por acessibilidade em Luanda

  • Coque Mukuta

Evento realiza-se neste sábado em Luanda

A Plataforma para a Inclusão (PpL) realiza neste sábado, 22, uma caminhada pela acessibilidade, que terá inicio no Cemitério da Santana e termina no Largo das Heroínas, em Luanda.

Os organizadores dizem ser uma oportunidade para promover o respeito pelas pessoas com limitação e uma forma de luta por direitos e garantias.

Pessoas com limitação física, visual e auditiva são as mais prejudicadas em Angola, na ótica dos promotores da iniciativa.

Muitos dizem que os angolanos, na sua maioria, estão a perder a sua sensibilidade de ajudar pessoas com deficiência.

Adão Ramos, portador de deficiência, diz que a lei da acessibilidade não é colocada em prática.

Em conversa com a VOA, Ramos esclarece, no entanto, que os portadores de limitações físicas não querem viver de ajudas e por isso exigem a criação de condições para que possam resolver as suas dificuldades de forma autónoma, fácil e segura.

"Nós não queremos viver de misericórdia", sublinha.

A caminhada, que tem como lema “A indiferença é violência, a inclusão é respeito e reconhecimento”, visa pressionar para a criação de condições para pessoas com deficiências ou com mobilidade condicionada.

O advogado Micael Daniel, que usa uma cadeira de roda para se locomover, ficou impossibilitado recentemente de participar numa audiência na sala do Tribunal de Luanda pelo facto de o elevador estar avariado e o prédio não ter uma rampa de acesso.

"Do ponto de vista genéricoa lei não tem sido aplicada", assegura.

Os organizadores esperam uma participação de cerca de 500 pessoas.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG