Links de Acesso

MPLA e oposição com leituras diferentes sobre a paz em Angola


Acordo completa 16 anos

MPLA defende exaltação a José Eduardo dos Santos, oposição defende mudanças para acabar com a "desgraça"

No Dia da Paz em Angola, 4 de Abril, o partido no poder e a oposição mantém visões diferentes sobre a paz, 16 anos após o acordo.

O MPLA diz que os angolanos deviam continuar a ser gratos ao antigo Presidente da República, incluindo a UNITA, enquanto a oposição considera que a paz só trouxe mais desgraças para a maioria dos angolanos.

Partidos angolanos com leituras diferentes sobre 16 anos de paz - 2:41
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:41 0:00

O deputado do MPLA João Pinto diz que os angolanos "não discutem agora tribos e raças, mas cidadania, regiões, educação, saúde e qualidade de vida, graças ao empenho pessoal" de José Eduardo dos Santos.

“Por isso é que o dia de hoje é de reflexão e de gratidão, que nos obriga sempre a evitarmos actos de excesso, de desrespeito à legalidade e à ordem que possam gerar desconfiança entre os angolanos", sublinha Pinto.

Do lado da UNITA, o maior partido na oposição, o vice-presidente Raul Danda afirma que os angolanos devem olhar para Agostinho Neto, Jonas Savimbi e Holden Roberto “da mesma forma, sem privilégios para uns e só desgraça e sofrimento para outros”, mas adverte que parte do país ainda está em conflito.

“Em Cabinda continua o conflito com o Governo a priorizar as armas e prisões para resolver o problema, o que é um tremendo erro e que não vai resolver o problema", conclui Danda.

Ao comentar o Dia da Paz, Lindo Tito, vice-presidente da CASA-CE, defende mudanças de regime porque com o actual tudo continua na mesma, mas apenas sem luta armada.

“A alternância poderá mudar tudo desde a estrutura governativa e política, e proporcionar mudanças substanciais na vida das pessoas e esta esperança deve ser transmitida pelos partidos da oposição com soluções mais credíveis que as actuais”, sublinha Tito.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG