Links de Acesso

Madeireiros contra prorrogação do defeso em Moçambique

  • Alfredo Júnior

Governo anuncia mais três meses da "Operação Tronco"

Madeireiros moçambicanos mostram-se contra a extensão por mais três meses do defeso na exploração florestal decretada pelo Governo, após inúmeras irregularidades detectadas aquando da "operação Tronco".

Madeireiros contra prorrogação do defeso em Moçambique
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:13 0:00

O ministro da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural Celso Correia reafirmou que a extensão do período de defeso por um prazo de três meses pretende criar uma base sólida que permita definir um novo modelo de exploração florestal.

A "Operaçao Tronco" foi lançado a 1 de Março e detectou irregularidades graves em 75 por cento dos 120 estaleiros de exploração de madeira fiscalizados, tendo sido apreendidos 120 mil metros cúbicos de madeira ilegal.

Perante estas irregularidades, o Executivo decidiu prolongar por mais três meses a interdição de corte de madeira nas florestas do país.

"Estes três meses podem trazer mais coisas boas do que coisas menos boas. Não estou preocupado com a quantidade (de madeira apreendida) não estou preocupado com as multas, o mais importante é nós construirmos a cadeia de valores do sector florestal", disse o ministro da Terra, Ambiente e Desenvolvimento Rural, Celso Correia.

Esta medida não colheu o agrado de todos os madeireiros que querem que a interdição abranja apenas aos infractores.

"Estão a tratar a todos como bandidos, e não é justo. O Mitader está a tomar medidas que têm sido corajosas, são dolorosas, mas se nós continuarmos a tentar fingir que queremos resolver, não vamos resolver", disse Afonso. Auto, explorador florestal.

Entretanto, o ambientalista João Massango considerou a medida oportuna, visto que os crimes florestais assumem contornos transfronteiriços.

Massango cita, como exemplo, a detenção no Malawi, em Novembro último, de madeireiros que faziam a exploração numa área fronteiriça disputada pelos dois países.

Para aquele especialistas, "o grande problema do nosso território é à falta de delimitação territorial, sabemos que nas províncias que fazem fronteira com os países do interland como Malawi e Zâmbia há este problema e quando se apercebe que Moçambique está a fazer a marcação cerrada através dos portos, através dos agentes do Estado, eles tiveram que mudar a táctica".

Moçambique perde anualmente perto de 200 milhões de dólares com o contrabando no sector florestal.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG