Links de Acesso

Moçambique treina técnicos para renegociar contratos mineiros

  • Ramos Miguel

Especialialistas dizem que país perde muito com os contratos assinados

O Governo de Moçambique cedeu à pressão de economistas e, com o apoio do Banco Africano de Desenvolvimento (BAD), já está a capacitar técnicos para renegociar contratos na área mineira, assinados no passado, no sentido de maximizar os ganhos na exploração dos recursos naturais.

Moçambique treina técnicos para renegociar contratos mineiros
please wait

No media source currently available

0:00 0:02:00 0:00

Vários economistas têm vindo a defender a necessidade de o Governo renegociar alguns contratos assinados com as multinacionais, sobretudo pelo facto de o Estado dar enormes incentivos fiscais e acelerar a entrega de recursos ao grande capital.

O Executivo, presentemente a braços com uma grave crise económico-financeira, vinha justificando os enormes incentivos com a necessidade de atrair os investimentos.

O economista Nuno Castel Branco, crítico das políticas do Governo relativas aos megaprojectos, diz que só em incentivos que dá às mutinacionais Moçambique perde, anualmente, cerca de 240 milhões de dólares, o correspondente a 10 por cento do Orçamento de Estado.

Luís Matsinhe, do Ministério das Finanças, como que a reconhecer o facto, afirma que o Governo, iniciou, semana passada, o treinamento de quadros para a verificação de contratos assinados no passado.

Luís Matsinhe justificou a verificação dos contratos com o facto de que os mesmos são dinâmicos.

O analista Tomás Rondinho considera que há vários contratos que têm que ser renegociados, um dos quais é o da fundição de alumínio Mozal, localizado na Matola, arredores de Maputo.

Para Rondinho, "o impacto da Mozal na Balança de Pagamentos de Moçambique é mínimo", sublinhando ser necessário renegociar também o projecto da companhia sul-africana, Sasol, de exploração de gás natural nas regiões de Pande e Temane, na província de Inhambane.

O economista João Mosca deplora também o facto de a quantidade do gás, por exemplo, que as multinacionais deixam em Moçambique, ao abrigo dos contratos assinados com o Governo ser mínima, não permitindo que o país faça também as suas exportações.

Fórum Facebook

XS
SM
MD
LG