Links de Acesso

Mineiros moçambicanos na África do Sul temem onda de despedimentos

  • Simião Pongoane

Sindicatos ameaçam com novas greves por aumentos salariais.

Sindicatos dos mineiros e patronato em rota de colisão sobre aumento salarial na África do Sul. Mineiros moçambicanos temem onda de despedimentos como forma do patronato contornar aumentos salariais.

please wait

No media source currently available

0:00 0:02:24 0:00
Faça o Download

A Associação dos Mineiros da África do Sul exige um salário mínimo de 12.500 rands, cerca de mil dólares norte-americanos, por mês nas minas de ouro.

O mesmo salário está a ser praticado, de forma faseada, no sector de platina depois da greve que culminou com a morte de cerca de 45 mineiros em Agosto de 2012.

A União Nacional dos Mineiros, maior sindicato dos trabalhadores mineiros, considerado aliado do ANC, exige cerca de 11 mil rands como salário base no sector de ouro.

Por seu lado, o patronato considera que os salários exigidos são exorbitantes nas condições do mercado.

Os sindicatos não mostram sinais de recuo nas negociações mediadas pela câmara sul-africana das minas, uma instituição com mais de 70 membros ou companhias mineiras, empregando cerca de 500 mil trabalhadores.

Face à pressão de aumento salarial devido à grave crise de energia eléctrica, as companhias mineiras vão executar um plano B que consiste na redução da mão-de-obra e introdução de tecnologias para exploração de minérios.

O aviso já foi dado. Os trabalhadores mineiros moçambicanos estão muito apreensivos, a avaliar pelas palavras de Manuel Paulo Matola, que trabalha nas companhias de platina de Lonmin.

Moçambique tem actualmente 32 mil trabalhadores na indústria mineira sul-africana, que contribuem com cerca de 750 milhões de rands por ano para a economia moçambicana.

Há 12 anos havia 55 mil trabalhadores moçambicanos, mas devido à redução da mão-de-obra devido à pressão para o aumento salarial e introdução de novas tecnologias, Moçambique tem vindo a perder anualmente oito por cento da sua forca de trabalho na indústria mineira sul-africana.

Segundo observadores, este ano poderá perder muito mais.

XS
SM
MD
LG